Diálogos entre moda e literatura: uma análise sobre caracterização de personagem em Lucíola, de José de Alencar

Autores

  • Javer Wilson Volpini

DOI:

https://doi.org/10.26563/dobras.v13i28.1059

Palavras-chave:

Moda. Literatura. Lucíola. José de Alencar. Caracterização de personagem.

Resumo

Este artigo realiza um diálogo entre moda e literatura a partir do romance Lucíola (1862), de José de Alencar. A literatura canônica desse escritor traçou um panorama minucioso do contexto social do século XIX e, no caso específico da obra em tela, retratou o cotidiano da corte imperial do Segundo Reinado no Brasil, oferecendo uma fonte de pesquisa de grande valor aos estudos acerca desse período que também pode ser expandida à investigação sobre moda. Refletindo sobre a construção de personagem no texto literário, foi possível analisar a importância da moda na narrativa do romance, exercendo papel fundamental para realizar a caracterização da protagonista, marcando sua dupla personalidade, da moça casta à mulher cortesã. Para isto, oferecemos um breve compilado das influências europeias na moda brasileira da corte do Segundo Reinado, externando uma ambientação social da época e relacionando-a com o contexto da narrativa literária. A moda, além de conferir verossimilhança ao enredo, também é usada pelo escritor como elemento literário de construção física e psicológica de sua personagem. Ao relacionar as descrições do vestuário no romance com as referências da moda da época, inferimos a importância do caráter simbólico que as roupas expressam também na construção social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALENCAR, José de. Lucíola. 2. ed. São Paulo: Martin Claret, 2010.

AZEVEDO, M. de. As luvas. O Espelho – Revista de literatura, modas, indústria e artes. Diretor

e redator: F. Eleutério de Souza. Ano I, n. 1, 4 set. 1859, p. 7. Rio de Janeiro: Tip. de Paula

Brito [e outras]. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_periodicos/

per700037_contente/index.html. Acesso em: 7 jul. 2019.

BALZAC, Honoré de. Tratados da vida moderna. Trad. Leila de Aguiar Costa. São Paulo:

Estação Liberdade, 2009.

BAUDELAIRE, Charles. Sobre a modernidade: o pintor da vida moderna. Org. Teixeira

Coelho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. 10. ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2008.

CRANE, Diana. A moda e seu papel social: classe, gênero e identidade das roupas. Trad.

Cristiana Coimbra. 2. ed. São Paulo: Senac SP, 2006.

CRÔNICA Elegante. O Espelho – Revista de literatura, modas, indústria e artes. Diretor e

redator: F. Eleutério de Souza. Ano I, n. 1, 4 set. 1859, p. 10. Rio de Janeiro: Tip. de Paula

Brito [e outras]. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_periodicos/

per700037_contente/index.html. Acesso em: 7 jul. 2019.

DE MARCO, Valéria. O império da cortesã: Lucíola, um perfil de Alencar. São Paulo: Martins

Fontes, 1986.

DUARTE, Cláudia Renata. Textos-tecidos: a moda e a história na literatura. Disponível em:

http://ebooks.pucrs.br/edipucrs/Ebooks/Web/978-85-397-0198-8/Trabalhos/22.pdf.

Acesso em: 3 out. 2019.

FREYRE, Gilberto. Vida social no Brasil nos meados do século XIX. Recife: Instituto

Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, 1964.

FREYRE, Gilberto. Modos de homem & modas de mulher. 2 ed. São Paulo: Global, 2009.

GRIFFIN, Susan. O livro das cortesãs: um catálogo das suas virtudes. Trad. Talita M.

Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

LAVER, James. A roupa e a moda: uma história concisa. Trad. Glória Maria de Mello Carvalho.

São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

M-AS. Revista de teatros. O Espelho – Revista de literatura, modas, indústria e artes. Diretor

e redator: F. Eleutério de Souza. Ano I, n. 4, 25 set. 1859, p. 8. Rio de Janeiro: Tip. de Paula

Brito [e outras]. Disponível em: http://objdigital.bn.br/acervo_digital/div_periodicos/

per700037_contente/index.html. Acesso em: 7 jul. 2019.

MACEDO, Joaquim Manuel de. Memórias da Rua do Ouvidor. Brasília: UnB, 1988.

MENEZES, Lená Medeiros de. Francesas no Rio de Janeiro: modernização e trabalho

segundo o Almanak Laemmert (1844-1861). Disponível em: http://www.labimi.uerj.br/

artigos/1306519921.pdf. Acesso em: 13 set. 2019.

MURICY, Kátia. A razão cética. São Paulo: Cia das Letras, 1988.

PINHO, Wanderley. Salões e damas do Segundo Reinado. 2. ed. São Paulo: Martins, 1942.

RAINHO, Maria do Carmo Teixeira. A cidade e a moda: novas pretensões, novas distinções

– Rio de Janeiro, século XIX. Brasília: UnB, 2002.

REUTER, Yves. A análise da narrativa: o texto, a ficção e a narração. Trad. Mário Pontes. 2.

ed. Rio de Janeiro: Difel, 2007.

RODRIGUES, Mariana Christina de Faria Tavares. Mancebos e mocinhas: moda na literatura

brasileira do século XIX. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.

SALOMON, Geanneti Tavares. Moda e ironia em Dom Casmurro. São Paulo: Alameda, 2010.

SOUZA, Gilda de Mello e. O espírito das roupas: a moda no século XIX. 6. ed. São Paulo:

Companhia das Letras, 2009.

Downloads

Publicado

2020-04-09

Como Citar

VOLPINI, J. W. Diálogos entre moda e literatura: uma análise sobre caracterização de personagem em Lucíola, de José de Alencar. dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, [S. l.], v. 13, n. 28, p. 96–115, 2020. DOI: 10.26563/dobras.v13i28.1059. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras/article/view/1059. Acesso em: 29 jan. 2022.

Edição

Seção

Dossiê