Vestindo-se para o sucesso

Autores

  • Clair Hughes

DOI:

https://doi.org/10.26563/dobras.v13i28.1066

Resumo

Há um relato oitocentista sobre a rainha francesa Maria Antonieta, no começo de um baile da corte, usando “um vestido azul repleto de safiras e diamantes. Ela era jovem, bela e adorada por todos – ainda assim, já estava próxima do abismo” (MENDEHLSOHN, 2006)2 . Essa passagem foi citada na crítica de Daniel Mendehlsohn sobre o filme Marie Antoinette, de Sofia Coppola, para destacar o que ele acreditava ser o ponto fraco do longa: Coppola, ele diz, “oferece o vestido, mas não o abismo” (MENDEHLSOHN, 2006, p. 22). Aquela descrição verbal da aparência da rainha era, resumidamente, mais reveladora, mais dramática do que as imagens deslumbrantes do filme. O contraste feito por Mendehlsohn em seu relato levanta o questionamento de porque algo tão visual quanto o vestir deveria ser considerado no contexto da literatura. O que as palavras fazem pelo vestir? Para o crítico, era a sugestão das palavras – a implicação de haver profundezas abaixo da superfície – que concedia o drama. Vestir-se, para Roland Barthes (2009), é a matéria poética ideal: tocando o corpo, revela-se o eu, mas também se interage com o social – conformando-se, rejeitando, enganando ou seduzindo.[...]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BALZAC, Honoré de. As ilusões perdidas. São Paulo: Penguin Classics Companhia das

Letras, 2011.

BALZAC, Honoré de. Tratado da vida elegante: ensaios sobre a moda e a mesa. Tradução

Rosa Freire D’Aguiar. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2016.

BARTHES, Roland. Sistema da moda. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

GOETHE, Johann Wolfgang. Os anos de aprendizado de Wilhelm Meister. Tradução

Nicolino Simone Neto. São Paulo: Ensaio, 1994.

GOETHE, Johann Wolfgang. Os sofrimentos do jovem Werther. Tradução Marcelo Backes.

Porto Alegre: L&PM, 2010.

HARVEY, John. Men in black. Chicago: University of Chicago Press, 1995.

HOLLANDER, Anne. Seeing through clothes. Nova York: Avon, 1978.

HOLLANDER, Anne. The fabric of vision. Londres: National Gallery, 2002.

HUGHES, George. Reading novels. Nashville: Vanderbilt University Press, 2002.

JAMES, Henry. Literary criticism. 2 v. Nova York: Library of America, 1984.

MENDEHLSOHN, Daniel. Lost in Versailles. New York Review of Books, v. 53, n. 19, 30 nov. 2006.

MOERS, Ellen. The dandy. Londres: Secker and Warburg, 1960.

MORETTI, Franco. The way of the world. Londres: Verso, 2000.

PRAZ, Mario. The hero in eclipse. Oxford: Oxford University Press, 1969.

RICHARD, Jean-Pierre. Littérature et sensation: Stendhal et Flaubert. Paris: Éditions du

Seuil, 1954.

STENDHAL. O vermelho e o negro. Tradução Paulo Neves. Porto Alegre: L&PM, 2013.

THACKERAY William. Men & jackets [1860]. In: THACKERAY, William. Complete works. V.

Oxford: Oxford University Press, s/d.

THACKERAY, William. Pendennis [1850]. Oxford: World Classics, 1999.

Downloads

Publicado

2020-04-09

Como Citar

HUGHES, C. Vestindo-se para o sucesso. dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, [S. l.], v. 13, n. 28, p. 188–202, 2020. DOI: 10.26563/dobras.v13i28.1066. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras/article/view/1066. Acesso em: 29 jan. 2022.

Edição

Seção

Costuras