A moda e a memória

dos brechós ao estilo DIY como construção de identidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26563/dobras.i35.1385

Palavras-chave:

Brechós, DIY, Identidade, Memória, Moda

Resumo

Já existe um tempo em que a moda está sendo repensada no que tange às questões do seu ciclo existencial, o de uma peça, por exemplo. A construção de uma identidade com base na moda DIY ressignifica os brechós como objeto de consumo crescente nas sociedades. Assim, o público pode se expressar com uma identidade única, uma mistura de estilos em que as peças garimpadas em brechós tomam cena no cotidiano do vestuário e possibilitam uma cultura de “resistência” à tendência comum, ao mainstream, que muitos buscam ao vestir peças de segunda mão ou feitas de forma artesanal, criando, assim, um estilo próprio como forma de se diferenciar no que tange sua comunicação visual. Este texto problematiza a construção de uma identidade a partir da moda DIY e sua relação com o consumo em brechós, especificamente no Bendita Traça. Fez-se uma revisão bibliográfica sobre o tema. Percebe-se que os donos de brechós estão atentos à escolha de peças que são verdadeiros vestígios memoriais, e aqueles que as adquirem mais atentos ainda, pois elas representam uma das bases do DIY. O trabalho oriundo do brechó pesquisado (Bendita Traça) revela uma conexão do passado com o presente por meio dos vestígios e, dessa forma, foi possível refletir sobre a relação do público consumidor com esse tipo de estabelecimento, de forma a estabelecer uma comunicação visual diferenciada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Kieling Pontin

Mestre em memória Social e Bens Culturais pela Universidade La Salle. Pesquisadora Voluntária no Observatório Unilasalle: Trabalho, Gestão e Políticas Públicas.

Moisés Waismann

Pós-doutor em Educação, UFRGS; Doutor em Educação pela Universidade do Vale do Rio do Sinos/RS. Professor e pesquisador no Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Bens Culturais da Universidade La Salle.

Judite Sanson de Bem

Pós-doutora em Geografia Humana, UFRGS; Doutora em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Professora e pesquisadora no Programa de Pós-Graduação em Memória Social e Bens Culturais da Universidade La Salle.

Referências

BARNARD, Malcom. Moda e Comunicação. 1958. Rio de Janeiro: Rocco, 2003.

BERND, Zilá (org.). Em busca dos rastros perdidos da memória ancestral: um estudo de Um defeito de cor, de Ana Maria Gonçalves. Revista de estudos de literatura brasileira contemporânea, n. 40, 2012. (p. 29 - 42). Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/estudos/issue/view/889 Acesso em: junho/2020.

BERND, Zilá. Por uma estética dos vestígios memoriais: releitura da literatura contemporânea das Américas a partir dos rastros. 1 ed. Belo Horizonte: Fino Traço, 2013.

CLARKE, John. Style. In Hall, Stuart & Jefferson, Tony (eds.)(1976)

COHE N, Stanley. Folk devils and moral panics: the creation of the Mods and Rockers. Cambridge: Basil Blackwell, 1972.

CRANE, Diana. A moda e seu papel social: classe, gênero e identidade das roupas. 1933. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

Frehse, Fraya As realidades que as "tribos urbanas" criam. Revista Brasileira de Ciências Sociais [online]. 2006, v. 21, n. 60 [Acessado 30 Julho 2021] , pp. 171-174. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0102-69092006000100012>. Epub 17 Abr 2007. ISSN 1806-9053. https://doi.org/10.1590/S0102-69092006000100012.

GUERRA, Paula. Raw Power: Punk, DIY and Underground Cultures as Spaces of Resistance in Contemporary Portugal.Cultural Sociology,2018.

GUERRA, Paula; QUINTELA, Pedro (2018)- O resto ainda é Hebdige. In HEBDIGE, Dick (2018) - Subcultura . O significado do estilo. Lisboa: Maldoror, p. 10- 71, 2018

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. 2 ed. São Paulo: Editora Revistas dos Tribunais, 1990.

LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MARTINS, Raquel Denise Salvalaio da Silva. A moda dos brechós, feiras e bazares no contexto da indústria criativa. Raquel Denise Salvalaio da Silva Martins - Dissertação de mestrado apresentada como requisito parcial à aprovação no Mestrado em Indústria Criativa, Universidade Feevale. Novo Hamburgo, 2018.

MOSER, Walter. Recyclages. Économies de l’appropriation Culturelle. In: DIONNE, Claude; MARINIELLO, Silvestra (org.). Le recyclage culturel. Montréal: Éditions Balzac, 1996.

PAULA GUERRA. Henrique Grimaldi Figueredo. Today Your Style, Tomorrow The World: punk, fashion and visual imaginary. ModaPalavra, Florianópolis, V. 12, N. 23, p. 112-147, jan./mar. 2019. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/329080953. Acessado em: 25.06.2021.

PAULA GUERRA. Just can’t go to sleep’: DIY cultures and alternative economies from the perspective of social theory Portuguese Journal of Social Science. 16:3, pp.283–303, doi:10.1386/pjss.16.3.283_1. Instituto de Sociologia, Universidade do Porto (ISFLUP).

STALLYBRASS, Peter; TADEU, Tomaz (org.) O casaco de Marx: roupa, memória e dor. 5. ed. rev. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

TEDESCO, João Carlos. Nas cercanias da memória: temporalidade, experiência e narração. 2. ed. Passo Fundo: ed. Universidade de Passo Fundo, 2014.

WILLIAMS, Jean Patrick. Youth-Subcultural studies: Sociological traditions and core concepts. Sociology Compass. Vol. 1. N.º 2, p. 572-593, 2007.

Downloads

Publicado

2022-07-29

Como Citar

PONTIN, P. K.; WAISMANN, M.; BEM, J. S. de. A moda e a memória: dos brechós ao estilo DIY como construção de identidade. dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, [S. l.], n. 35, p. 171–182, 2022. DOI: 10.26563/dobras.i35.1385. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras/article/view/1385. Acesso em: 9 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos