A mulher nos estádios: das plumas ao disfarce

Elisabeth Murilho da Silva

Resumo


No começo do século XX, durante os primeiros anos do futebol no Brasil, a mulher era presença
marcante nos estádios, assim como as famílias. Como se tratava de um esporte amador adotado pela elite brasileira, as arquibancadas ficavam lotadas de moças elegantes, vestidas segundo a moda europeia, com seus chapéus enfeitados de flores e plumas que davam um colorido peculiar ao local. No decorrer do século, no entanto, a mulher vai, gradualmente, afastando-se do futebol, e o estádio passa a ser visto, cada vez mais, como um ambiente masculino.


Palavras-chave


futebol; torcidas; imprensa esportiva; gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, Lima. Vida urbana: artigos e crônicas. São Paulo: Brasiliense, 1956.

FILHO, Mario. O negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

GROPPO, Luis Antonio. Uma onda mundial de revoltas: movimentos estudantis nos anos 1960. Campinas, 2002. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

HOBSBAWM, Eric J. A era dos extremos: o breve século XX, 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

MAZZONI, Tomas. História do futebol brasileiro. São Paulo: Edições Leia, 1950.

MURPHY, Patrick; WILLIAMS, John; DUNNING, Eric. O futebol no banco dos réus: violência dos espectadores num desporto em mudança. Oeiras/Portugal: Celta, 1994.

PIMENTA, Carlos Alberto Máximo. Torcidas organizadas de futebol: violência e auto-afirmação. Taubaté: Vogal, 1997.




DOI: https://doi.org/10.26563/dobras.v4i9.206

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 dObra[s] – uma revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda



Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.