A resistência na moda através do tempo: movimento punk e slow fashion.

Marta Sorelia Felix de Castro, José Clerton de Oliveira Martins, Karla Patrícia Martins Ferreira

Resumo


O presente estudo surge de reflexões acerca de expressões de resistência surgidas nos movimentos sociais de moda punk na década de 1970 e no movimento slow desencadeado a partir da década de 1990. A investigação consiste em pesquisa bibliográfica com abordagem qualitativa e busca compreender como o contexto social pode impulsionar fenômenos de resistência. O diálogo acerca da sociedade contemporânea é embasado nas teorias de Lipovetsky (2004), Bauman (2001), Aquino e Martins (2007), Rhoden (2009) e Han (2015). As discussões entre os autores apontaram intersecções motivacionais entre os movimentos punk e slow fashion, que se caracterizam como formas de resistência ao produtivismo e consumismo.


Palavras-chave


consumismo; moda; resistência.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, Cássio Adriano; MARTINS, José Clerton. Ócio, lazer e tempo livre na sociedade do consumo e do trabalho. Revista Mal-estar e Subjetividade, v. 7, n. 2), p. 479-500, 2007.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.2001.

BERIAIN, Josetxo. Aceleración y tirania del presente. La metamorfosis en las estructuras temporales de la modernidad. Barcelona: Anthropos Editorial, 2008.

BERLIM, Lilyan. Moda e sustentabilidade: uma reflexão necessária. São Paulo: Editora Estação das Letras e Cores, 2012

BOFF, Leonardo. Sustentabilidade: o que é – o que não é. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.

BRUM, Eliane. Exaustos-e-cansados-e-correndo. El País, 4 jul. 2016. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2016/07/04/politica/1467642464_246482.html. Acesso em: 9 mar. 2019.

DE MASI, Domenico. Criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

FIORIN, Márcia. O Modelo Slow Fashion de Produção de Vestuário: uma Análise Epistemológica da Produção Acadêmica no período de 2008 a 2016. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE EPISTEMOLOGIA E SOCIOLOGIA DA CIÊNCIA DA ADMINISTRAÇÃO, 6., 2017, Florianópolis. Anais [...] Florianópolis, 2017.

FLETCHER, Katie; GROSE, L. Moda & Sustentabilidade: Design para mudança. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2011.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. 30. ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

FREDERICO, Celso. Do espetáculo ao simulacro. Matrizes, ano 4, n. 1, p. 179-191, jul./dez. 2010.

GALLO, Ivone. Punk: Cultura e Arte. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 24, n. 40, p. 747-770, jul./dez. 2008.

GRABOIS, Pedro. Resistência e revolução no pensamento de Michel Foucault: contra condutas, sublevações e lutas. Cadernos de Ética e Filosofia Política, n. 19, p. 7-27, 2011.

HAN, Byung Chul. A sociedade do cansaço. São Paulo: Editora Vozes, 2015.

HONORÉ, Carl. Devagar. Rio de Janeiro: Editora Record, 2005.

KRUNITZKY, Sandra. Spikes e suas origens. Jeito e conceito, 15 mar. 2014. Disponível em: http://jeitoeconceito.blogspot.com.br/2014/03/estilo-spikes-e-punks-origem.html. Acesso em: 1 maio de 2018.

LEITE, Romildo. Vivienne Westwood faz apelo sustentável: “não comprem nada”. Indústria Têxtil e do Vestuário. Ano XI, 13 jun. 2017. Disponível em: http://textileindustry.ning.com/m/discussionid=2370240%3ATopic%3A794444. Acesso em: 9 mar. 2019.

LIPOVETSKY, Gilles. Tempos hipermodernos. São Paulo: Barcarolla, 2004.

MANZINI, Ezio; VEZZOLI, Carlo. O desenvolvimento de produtos sustentáveis: os requisitos ambientais dos produtos industriais. São Paulo: EDUSP, 2008.

MISKOLCI, Richard. Estéticas da existência e estilos de vida – as relações entre moda, corpo e identidade social. Iara, São Paulo, v. 1, n. 2, ago./dez., 2008.

NASCIMENTO, Luís Felipe. Gestão ambiental e sustentabilidade. Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração/ UFSC; Brasília: Capes, UAB, 2012.

NOVAES, Adauto. Mutações – ensaios sobre novas configurações do mundo. São Paulo: Editora Sesc, 2012.

OKADA, Regina; BERLIM, Lilyan. Design De Moda: Possibilidades De Inovação Social E Sustentabilidade. Iniciação, Niterói, v. 4, n. 1, 2014.

RHODEN, Ieda. O ócio como experiência subjetiva: contribuições da psicologia do ócio. Revista Mal-Estar e Subjetividade, v. 9, n. 4, p. 1233-1250, 2009.

SILVA, Samantha; BUSARELLO, Raul. Fast fashion e slow fashion: o processo criativo na contemporaneidade. In: COLÓQUIO DE MODA, 13., 2016, João Pessoa. Anais [...] João Pessoa, 2016. Disponível em: http://www.coloquiomoda.com.br/anais/Coloquio%20de%20Moda%20-%202016/COMUNICACAO-ORAL/CO-06-Processos-Produtivos/CO-06-Fast-Fashion-e-Slow-Fashion.pdf. Acesso em: 11 mar. 2019.

SHULTE, Neide; LOPES, Luciana. A moda no contexto da sustentabilidade. Moda Palavra e-Periódico, ano 6, n. 11, p. 194-211, jul.-dez., 2013.

WORLEY, Mathew. Punk, Politics and Youth Culture. Reading History, s. d. Disponível em: https://unireadinghistory.com/punk-politics-and-youth-culture/. Acesso em: 1 maio 2018.

TREPTOW, Doris. Inventando Moda. Planejamento de coleções. São Paulo: Editora Cosac Naif, 2013.

STRAUSS, Carolyn F.; FUAD-LUKE, Alastair. The Slow Design Principles. A new interrogative and reflexive tool for design research and practice. Changing the Change: Design Visions Proposals and Tools, 2008. Disponível em: http://raaf.org/pdfs/Slow_Design_Principles.pdf. Acesso em: 11 mar. 2019.

ZIZEK, Slavoj. A visão em paralaxe. São Paulo: Bom tempo Editorial, 2008.




DOI: https://doi.org/10.26563/dobras.v11i25.859

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.