Uniformes esportivos de mulheres no futebol: convenções, subversões e distinções no vestuário

Cláudia Samuel Kessler, Fernanda de Oliveira Alves

Resumo


A partir da análise de dados coletados em pesquisa etnográfica realizada no Rio Grande do Sul entre 2011 e 2012, bem como a utilização de outros artefatos culturais midiáticos, o presente artigo aborda o uso de roupas esportivas por jogadoras de futebol no Brasil. Ao longo do artigo, interrogar-se-á de que forma os uniformes esportivos de mulheres no futebol suscitam dilemas relacionados à atratividade e à praticidade do vestuário, bem como pretende-se entender como o uniforme influencia nas distinções presentes entre “patricinhas” e “humildes”, categorias êmicas que revelam não apenas diferenças de classe, mas também de raça/etnia, principalmente no futebol porto-alegrense. Para abordar as questões de gênero no esporte, tem-se como referencial o trabalho da brasileira Silvana Goellner. Em relação às questões de gênero e pós-colonialidade, a australiana Raewyn Connell. Para abordar raça/etnia, as estadunidenses bell hooks e Kimberlé Crenshaw. Conclui-se que o vestuário serve como forma de expressão que sofre influência de parâmetros ligados ao consumo, do qual estão ainda excluídos alguns grupos sociais, como o das “humildes” no futebol de mulheres porto-alegrense.

Palavras-chave


Gênero. Futebol. Feminilidade. Vestuário. Consumo.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Camila. Montar time feminino é exigência para equipes da Série A 2019; veja situação dos clubes. 4 jan. 2019. Globo Esporte. Disponível em: https://globoesporte.globo.com/futebol/noticia/montar-time-feminino-e-exigencia-para-equipes-da-serie-a-2019-veja-situacao-dos-clubes.ghtml. Acesso em: 30 maio 2019.

AMANTINO, Marcia. E eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrisse suas vergonhas. In: DEL PRIORE, Mary. História do corpo no Brasil. São Paulo: Ed. Unesp, 2011, p. 15-44.

AS REFERÊNCIAS DE BELEZA da seleção brasileira de futebol feminino no jogo contra a Itália. Vogue. 18 jun. 2019. Disponível em: https://vogue.globo.com/beleza/noticia/2019/06/referencias-de-beleza-da-selecao-brasileira-de-futebol-feminino-no-jogo-contra-italia.html?fbclid=IwAR3dc7ZUmQkdfuG1a-EOnt5e_t-GScEXE-z3QNe1a8axqdiRs6HCbx-mZcg. Acesso em: 21 jun. 2019.

BERTH, Joice. O que é empoderamento? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2018.

CONNELL, Raewyn; PEARSE, Rebecca. Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: nVersos, 2015.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002.

GOELLNER, Silvana. Bela, maternal e feminina: imagens da mulher na Revista Educação Physica. Ijuí: Ed. Unijuí, 2003.

GOELLNER, Silvana Vilodre. Mulheres e futebol no Brasil: entre sombras e visibilidades. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 143-51, 2005.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.

HOOKS, Bell. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Tradução Ana Luíza Libânio. 3. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

KESSLER, Cláudia Samuel. Mais que barbies e ogras: uma etnografia do futebol de mulheres no Brasil e nos Estados Unidos. 2015. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

LE BRETON, David. Antropologia do corpo e modernidade. Petrópolis: Vozes, 2011.

MARQUES, Marília. Copa feminina: servidores de Brasília pedem flexibilização de expediente para acompanhar jogos do Mundial. 21 maio 2019. Portal G1. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2019.

MARTINELLI, Andréa. Empresas aderem à tradição e vão parar também em jogos da Copa feminina. Huffpost Brasil. 13 jun. 2019. Disponível em: https://www.huffpostbrasil.com/entry/empresas-copa-feminina-jogos_br_5d0137bee4b0985c4196dd12. Acesso em: 16 jun. 2019.

MONGE, Yolanda. Uma polêmica constrangedora para a Nike. El País. 24 maio 2019. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/05/23/deportes/1558611884_769345.html?id_externo_rsoc=whatsappfbclid=IwAR09jZoj3Oi1MDikfzQeryitMnG9PKHUunqGOcMcgu3ZNXmctIsaKK3KdM. Acesso em: 30 maio 2019.

MORALES, Juliana. A história de superação de Tamires, única jogadora da Seleção que é mãe. M de Mulher. 13 jun. 2019. Disponível em: https://mdemulher.abril.com.br/familia/a-historia-de-superacao-de-tamires-unica-jogadora-da-selecao-que-e-mae/. Acesso em: 16 jun. 2019.

NOGUEIRA, Alberto. Tecnologia, estética e conforto determinam mudanças nas camisas. Folha de São Paulo. 18 mai. 2018. Disponível em: https://temas.folha.uol.com.br/evolucao-do-futebol/equipamentos/tecnologia-estetica-e-conforto-determinam-mudancas-nas-camisas.shtml. Acesso em: 16 jun. 2019.

NOROGRANDO, Rafaela. No princípio era a roupa. Iara – Revista de Moda, Cultura e Arte, v. 3, n. 3, p. 260-273, 2010.

OLIVEIRA, Amanda. Por que essa Copa do Mundo é tão marcante pra história do futebol feminino. Capricho. 30 mai. 2019. Disponível em: https://capricho.abril.com.br/vida-real/por-que-essa-copa-do-mundo-e-tao-marcante-pra-historia-do-futebol-feminino/. Acesso em: 16 jun. 2019.

PIRES, Breiller. Audiência da Copa feminina bate recordes pelo mundo. El País. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2019/06/29/deporte/1561762967_356406.html. Acesso em: 30 jun. 2019.

SARAIVA, Maria do Carmo. Co-educação física e esportes: quando a diferença é mito. Ijuí: Ed. Unijuí, 2005.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

SMITH, Rory. Garotas do Barcelona entram em liga masculina de futebol e a dominam. Folha de São Paulo. 11 jun. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/esporte/2019/06/garotas-do-barcelona-entram-em-liga-masculina-de-futebol-e-a-dominam.shtml. Acesso em: 12 jun. 2019.

TRINCA, Tatiane Pacanaro. O corpo-imagem na “cultura do consumo”: uma análise histórico-social sobre a supremacia da aparência no capitalismo avançado. 2008. 154 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Filosofia e Ciências. Universidade Estadual Paulista, Marília, 2008.

VOGUE. Nike cria coleção inspirada na Copa do Mundo de futebol feminino. Vogue. 16 mai. 2019. Disponível em: https://vogue.globo.com/moda/noticia/2019/05/nike-cria-colecao-inspirada-na-copa-do-mundo-de-futebol-feminino.html . Acesso em: 21 jun. 2019.




DOI: https://doi.org/10.26563/dobras.v12i27.980

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Cláudia Samuel Kessler, Fernanda de Oliveira Alves

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.