Miss Brasil Gay Juiz de Fora

os trajes típicos e suas mulheres imaginadas de 2017 a 2019

  • Paulo de Oliveira Rodrigues Junior
Palavras-chave: Miss Brasil Gay, Homossexualidade, Traje típico

Resumo

O Miss Brasil Gay é um concurso que elege o mais belo transformista gay do país desde 1977, em Juiz de Fora (MG). O evento é dividido em duas fases principais e este trabalho busca compreender a etapa do traje típico, correspondente à representação dos aspectos culturais dos estados brasileiros pelas misses. Delimitando as análises entre os anos de 2017 a 2019, realizamos um levantamento dos vídeos, fotografias e reportagens referentes ao Miss Brasil Gay que circularam nas plataformas oficiais do evento e também no jornal eletrônico Acessa. Exploramos o material a partir das teorias de gênero junto de uma bibliografia relacionada ao traje típico, ao figurino e à fantasia. Baseando-se no que foi exibido na passarela, classificamos os trajes típicos em três categorias principais (figurino, fantasias e trajes étnicos), entendendo que, na competição, as identidades regionais nem sempre se encontram em primeiro plano, e sim na construção de uma mulher exuberante. Abordamos, também, o papel dos estilistas dentro do concurso, uma vez que seus imaginários e modos de fazer definem muitas vezes o que será apresentado, tramando narrativas imagéticas que transitam tanto pelos aspectos legitimados como tradicionais quanto com imagens globalizadas do ser mulher.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo de Oliveira Rodrigues Junior

Doutorando e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes, Cultura e Linguagens da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Referências

ABRANTES, Samuel S. Itinerários da criação: abismo; dobra e figurino. Rio de Janeiro: Boaz, 2017.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BAKHTIN, Mikhail M. Cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Trad. Yara Frateschi Vieira. 6. ed. São Paulo/Brasília: Hucitec, 2008.

BALOGUN, Oluwakemi M. Cultural and cosmopolitan: idealized femininity and embodied nationalism in Nigerian beauty pageants. Gender & Society, v. 26, n. 3, 2012, p. 357-381. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0891243212438958. Acesso em: 9 nov. 2020.

BARROS, Andréa K. A história da organização homossexual em Juiz de Fora. 2016. 231 f. Tese (Doutorado em Política Social) – Programa de Estudos Pós-Graduados em Política Social da Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, 2016.

BONADIO, Maria Claudia. O corpo vestido. In: MARQUETTI, Flávia; FUNARI, Pedro Paulo (orgs.). Sobre a pele: imagens e metamorfoses do corpo. 1.ed. São Paulo: Intermeios, 2015, v. 1, p. 179-206.

BOURDIEU. Pierre. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Editora Marco Zero Limitada, 1993.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CABALLERO PIZA, Andrés L. The Land of the Most Beautiful Natural Resources Miss Universo: Representaciones de El Dorado y el Traje Típico Colombiano. Revista dObra[s]. v. 11, 2018, p. 22-40.

CALANCA, Daniela. Leis morais e contras. In: História social da moda. São Paulo: Senac, 2008.

DA MATTA, Roberto. Ensaios de antropologia estrutural. Petrópolis: Vozes, 1973.

DE LAURETIS, Teresa. A tecnologia do gênero. In: BUARQUE DE HOLLANDA, Heloisa (org.). Tendências e impasses: O feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.

DYHOUSE, Carol. Glamour: women, history, feminism. London: Zed Books, 2010.

EARLE, Rebecca. Nationalism and national dress in Spanish America. In: ROCES, Mina (ed.). The politics of dress in Asia and the Americas. Brighton: Sussex Academic Press, 2008.

EICHER, Joanne B.; SUMBERG, Barbara. World fashion, ethnic, and national dress. In:

EICHER, Joanne B. (edit.). Dress and ethnicity. Change across space and time. Oxford: Berg Editorial, 1999. ESTRELAS inspiram o Miss Brasil Gay. Tribuna da Tarde. Juiz de Fora, 17 de agosto de 1991, p. 1.

EXÓTICO. Oxford Languages. Oxford: Oxford University Press, 2020.

GIACOMINI, Sônia Maria. A alma da festa: família, etnicidade e projetos num clube social da Zona Norte do Rio de Janeiro: o Renascença Clube. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: Iuperj, 2006.

GREEN, James N. Além do carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

LOPES, Aureliano. Em desfile nossa terra, nossa gente?: a construção de corporalidades e belezas em concursos femininos diversos. Anais eletrônicos do Seminário Internacional Fazendo Gênero 10, 2013. Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/10/resources/ anais/20/1384955923_ARQUIVO_AurelianoLopes.pdf. Acesso em: 9 nov. 2020.

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 2013.

MISS BRASIL GAY. Desfile dos trajes típicos do Miss Brasil Gay 2017. 2017. (1h00min09s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=h8CMhacjKRk&t=1906s. Acesso em: 12 mar. 2020.

MULVEY, Laura. Prazer visual e cinema narrativo. In: XAVIER, Ismail (org.). A experiência do cinema: antologia. Rio de Janeiro: Graal, 1983.

NEGREIROS, Adriana. Maria Bonita: sexo, violência e mulheres no cangaço. Rio de Janeiro: Objetiva, 2018.

NOLETO, Rafael da Silva. “Brilham estrelas de São João!”: notas sobre os concursos de “Miss Caipira Gay” e “Miss Caipira Mix” em Belém (PA). Sexualidad, salud y sociedad, n. 18, dez. 2014, p. 74-110. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1984 6487.sess.2014.18.06.a. Acesso em: 8 nov. 2020.

OCHOA, Marcia. Queen for a day. Transformistas, beauty queens, and the performance of femininity in Venezuela. Durham: Duke University Press, 2014.

OLIVEIRA, Madson. A criação dos figurinos carnavalescos para o rancho Ameno Resedá, por meio da análise das aquarelas realizadas por Amaro do Amaral, em 1913. Rio de Janeiro: PPGAV-UFRJ-EBA (Relatório de estágio pós-doutoral), 2014.

ROBINSON, Victoria. Reconceptualising the mundane and the extraordinary: A lens trough which to explore transformation within women’s everyday footwear practices. Sociology, v. 49, 2015, p. 903-918.

RODRIGUES, Marcelo C. L’imaginaire de la fête “tribale” au Brésil: l’exemple du “Miss Brésil Gay” à Juiz de Fora. 2014. 351 f. Tese (Doutorado em Sociologia – École Doctorale Sciences Humaines et Sociales, Université Paris Decartes, Paris, 2014.

RODRIGUES, Marcelo C. Miss Brasil Gay, polêmica na passarela: eventos como instrumento de comunicação alternativa. 2008. 148 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2008.

SANTOS, Eliane. Conheça Michelly X: nova estilista queridinha das famosas no samba. Ego. Disponível em: http://ego.globo.com/carnaval/2013/noticia/2013/01/conheca-michellyxis- nova-estilista-queridinha-das-famosas-no-samba.html. Acesso: 21 jan. 2019.

SCHEIN, Louisa. The consumption of color and the politics of white skin in post-Mao China. In: LANCASTER, Roger; DI LEONARDO, Micaela (eds.). The gender/sexuality reader: Culture, history, political economy. New York: Routledge, 1997.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez. 1995.

SOLIVA, Thiago B. Sob o símbolo do glamour: um estudo sobre homossexualidades, resistência e mudança social. 2016. 250 f. Tese (Doutorado em Antropologia Cultural) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. 2016.

SONTAG, Susan. Notas sobre o “camp”. In: SONTAG, Susan. Contra a interpretação: e outros ensaios. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

SOUZA, Gilda de M. O espírito das roupas: a moda no século dezenove. São Paulo, Companhia das Letras, 1987.

TAYLOR, Lou. Ethnographical approaches. In: TAYLOR, Lou. The study of dress history. Manchester: Manchester University Press, 2004.

TRANSFORMISTAS disputam hoje o 18º Miss Gay. Tribuna de Minas. Juiz de Fora, 20 de agosto de 1994, p. 2.

VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. Trad. Olívia Krähenbühl. São Paulo: Ática, 1974.

VIANA, Fausto. O traje como objeto disparador da memória: o caso de A garota dinamarquesa. In: VIANA, Fausto; MOURA, Carolina B. (orgs.). Dos bastidores eu vejo o mundo. São Paulo: ECA/USP, 2017.

Publicado
2021-04-15
Como Citar
JUNIOR, P. DE O. R. Miss Brasil Gay Juiz de Fora: os trajes típicos e suas mulheres imaginadas de 2017 a 2019. dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, n. 31, p. 411-437, 15 abr. 2021.
Seção
Artigos