A cor como representação: o imaginário verde e amarelo

  • Débora Elman
  • Marcia Benetti
Palavras-chave: comunicação, representação, cultura, futebol, verde e amarelo.

Resumo

Este artigo trata da representação das cores verde e amarela no quadro imaginário de uma nação que se constrói fortemente por meio do futebol como expressão cultural. Abordando estas cores como elementos derivados dos regimes noturno e diurno da imagem, debate-se a constituição de um sujeito pós-moderno que se reconhece e se afirma, em uma identidade brasileira tribalizada e provisória, por meio do discurso imagético complementar das duas cores nacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BRITO, Fernanda. Marcha para Jesus reúne multidão verde-e-amarela. Folha de S.Paulo, São Paulo, 16 jun. 2006. Caderno Cotidiano, p. C1.

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito. São Paulo: Palas Atena, 1990.

_____. O herói de mil faces. São Paulo: Pensamento/Cultrix, 2004.

CAMPOS, Cleiton. A beleza do jogo. Revista Simples, São Paulo, jul.-ago. 2006, p. 99.

DEODORO, Paola. A torcida entra em campo. Zero Hora, Porto Alegre, 28 maio 2006. Caderno Donna, p. 10.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

EAGLETON, Terry. A idéia de cultura. São Paulo: Unesp, 2003.

GONÇALVES, Xico. Como usar o verde. Zero Hora, Porto Alegre, 30 jul. 2006. Caderno Donna, p. 17.

GUIMARÃES, Luciano. A cor como informação: a construção biofísica, lingüística e cultural da simbologia das cores. São Paulo: Annablume, 2000.

_____. Contrastes de cores e culturas. Revista Gherebh, 2003. Disponível em: http://www.cisc.org.br/ghrebh/ghrebh2/artigos/02lucianoguimaraes032003.html. Acesso: 29 mar. 2010.

hALL, stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. rio de Janeiro: DP&A, 2003.

HELAL, Ronaldo. Mídia e esporte, a construção de narrativas de idolatria no futebol brasileiro. In: XXVI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, Belo Horizonte, 2003. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Belo Horizonte: Intercom, 2003.

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2003.

LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

_____. Metamorfoses da cultura liberal. Porto Alegre: Sulina, 2004.

MAFFESOLI, Michel. No fundo das aparências. Petrópolis: Vozes, 1996.

PASTOUREAU, Michel. Dicionário das cores do nosso tempo: simbólica e sociedade. Lisboa: Stampa, 1993.

PORTES, Ivone. Governo cria marca para promover produtos e serviços do Brasil no exterior. Folha Online, 17 fev. 2005. Disponível em: www1.folha.uol/folha/dinheiro/ult91u93511.shtml. Acesso

em: 20 jul. 2006.

PRATES, Tharsila. Corpus Christi é celebrado com tapetes coloridos em cidades de SP. Folha de S.Paulo, São Paulo, 16 jun. 2006. Caderno Cotidiano, p. C1.

SORJ, Bernardo. Nova sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

Publicado
2010-01-24
Como Citar
Elman, D., & Benetti, M. (2010). A cor como representação: o imaginário verde e amarelo. dObra[s] – Revista Da Associação Brasileira De Estudos De Pesquisas Em Moda, 4(9), 61-71. https://doi.org/10.26563/dobras.v4i9.207
Seção
Artigos