(In)vestindo camisas de futebol: moda esportiva e agência na produção das emoções torcedoras

Luiz Henrique de Toledo

Resumo


Camisas de futebol apontam para um duplo vínculo de uma experiência emocional, que tensiona a relação entre o indivíduo e o coletivo. A moda esportiva com seus ciclos, marcas e indumentárias aparece não somente como dispositivo estético e protético assentado nos valores do consumismo, mas também pode ser concebida como instância agentiva na fabricação da pessoa do torcedor. Este artigo procura articular moda e futebol de uma perspectiva antropológica, que trata corpo e suas projeções (corporalidades) como fundamentos simbólicos de comunicação e produção de relações, no caso, relações entre a cultura material expressa pela moda e o multiverso da sociabilidade torcedora a partir de uma modalidade esportiva, o futebol.

Palavras-chave


Moda esportiva. Corporalidade. Torcedores. Agência. Antropologia das práticas esportivas.

Texto completo:

PDF

Referências


BERMAN, Marshal. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BOURDIEU, Pierre. La distinction: critique sociale du jugement. Paris: Minuit, 1979.

CIDREIRA, Renata Pitombo. Os sentidos da moda. São Paulo: Annablume, 2005. Costa, Leda Maria. O que é uma torcedora? Notas sobre a representação e auto-representação do público feminino de futebol. Esporte e Sociedade, n. 4, ano 2, nov. 2006/fev. 2007.

DOSSIÊ FUTEBOL. Revista USP. São Paulo, Universidade de São Paulo, set./out./nov. 2013.

DOSSIÊ MEGAEVENTOS. Horizontes Antropológicos. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social – UFRGS, Porto Alegre, n. 40, ano 19, jul./dez. 2013.

FRANCISCON, Mário. Futebol: regras e legislação. 12. ed. São Paulo: Prol Ed. Gráfica Ltda., 1996.

FREHSE, Fraya. Roupas femininas: de missas, visitas e festas. In: _______. Ô da rua!: o transeunte e o advento da modernidade em São Paulo. São Paulo: Edusp, 2011.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Instrumentos. In: _______. Elogio da beleza atlética. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 1993. Lagrou, Else. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: TopBooks, 2007.

LEVI, Tatiana. Um dia, uma camisa. In: Luiz Rufato (Org.). Entre as quatro linhas. Contos sobre futebol. São Paulo: Ed. DSOP, 2013.

MASCARENHAS, Gilmar. Globalização e espetáculo: o Brasil dos megaeventos esportivos. In: Del Piori, Mary; Andrade de Melo, Victor. (Orgs.). História do esporte no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

MIZRAHI, Mylene. O funk, a roupa e o corpo: caminhos para uma abordagem antropológica da moda. Cadernos de Arte e Antropologia, v. 8, n. 1, 2019. Dossiê Moda: cultura material, modos de vestir e de se apresentar.

ROHDEN, Fabíola. A arte de enganar a natureza: contracepção, aborto e infanticídio no início do século XIX. Coleção história e saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013.

RODRIGUES, Nelson. A camisa. In: ________. A pátria de chuteiras: novas crônicas de futebol. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

RODRIGUES FILHO, Nelson. Lima Barreto: jogando contra o futebol. Pesquisa de Campo. Revista do núcleo de Sociologia do Futebol – UERJ. Rio de Janeiro, n. 1, p. 43-53, 1995.

SANTOS, João Casquinha Malaia. Revolução vascaína: a profissionalização do futebol e a inserção socioeconômica de negros e portugueses na cidade do Rio de Janeiro (1915-1934). 489 folhas. Tese (Doutorado em História Econômica) – História, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2010.

SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

SPAGGIARI, Enrico; MACHADO, Giancarlo; GIGLIO, Sérgio (Orgs.). Entre jogos e copas: reflexões de uma década esportiva. São Paulo: Fapesp, Intermeios, 2016. Toledo, Luiz Henrique. Remexer anotações: o trabalho de um arguidor antropólogo. Coleção Aracy Lopes da Silva. Estudos de Antropologia Social. São Carlos: Edufscar, 2019.

TOLEDO, Luiz Henrique. De olhos bem abertos ou o que se viu e ouviu na Copa do Mundo de 2014: ensaio de antropologia das emoções esportivas. In: SPAGGIARI, Enrico; MACHADO, Giancarlo; GIGLIO, Sérgio (Orgs.). Entre jogos e copas: reflexões de uma década esportiva. São Paulo: Fapesp, Intermeios, 2016. p. 33-53.

TOLEDO, Luiz Henrique. Torcedores e o mercado de bens simbólicos. In: CAMPOS, Flávio;

ALFONSI, Daniela (Orgs). Futebol objeto das Ciências Humanas. São Paulo: Leya, 2014.

TOLEDO, Luiz Henrique. Políticas da corporalidade: socialidade torcedora entre 1990-2010. In: TOLEDO, Luiz Henrique; MALAIA, João; BUARQUE DE HOLANDA, Bernardo; ANDRADE

DE MELO, Victor (Orgs.). A torcida brasileira. Rio de Janeiro: Sete Letras, 2012.

TOLEDO, Luiz Henrique. Contribuições ao estudo da crônica esportiva 1: ‘contracrônica’ esportiva de Lima Barreto. Pesquisa de Campo. Revista do núcleo de Sociologia do Futebol – UERJ. Rio de Janeiro, n. 3/4, p. 35-50, 1996.

VEBLEN, Throstein B. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

WAIZBORT, Leopoldo. As aventuras de Georg Simmel. 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2013.




DOI: https://doi.org/10.26563/dobras.v12i27.981

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Luiz Henrique de Toledo

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.