Relações entre a formação superior em Moda e os campos de atuação dos egressos

Palavras-chave: Curso superior, Moda, Trabalho, Egressos

Resumo

O presente artigo tem como tema as relações entre a formação e o campo de atuação do profissional de moda. Foram analisados os percursos formativo e profissional e os campos de atuação dos egressos do ano de 2001 de um curso de bacharelado em Moda, em Santa Catarina, iniciado em 1997. Os dados da presente pesquisa foram gera-dos por meio do questionário, aplicado aos egressos (2001), dos quais os relatos dessa primeira turma auxiliam a compreender a proposta curricular e os diferentes contextos de formação daquele período histórico. Para compreender o currículo desse curso e seus cruzamentos com a atuação do profissional formado utilizou-se para geração de dados o Projeto de Viabilidade do Curso de Moda (1996) e a avaliação da entrevista com o coorde-nador do curso. A esses instrumentos foram utilizadas a análise temática e discursiva de Bardin (2016). Por meio dessas vozes, busca-se compreender como se dão suas relações profissionais a partir do currículo da graduação. Ainda como base teórica, utiliza-se Antu-nes (1985; 2015) a fim de fundamentar as transformações vividas pelos estudantes diante das morfologias do mundo do trabalho durante a década de 2000.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emanuella Scoz, Instituto Federal de Santa Catarina
Mestre em Educação pela Universidade de Blumenau (2019), Instituto Federal de Santa Catarina – Campus
Gaspar.

Referências

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 16. ed. São Paulo: Cortez, 2015.

BALTAR, Paulo Eduardo de Andrade. Estrutura econômica e emprego urbano na década de 1990. In: PRONI, Marcelo Weishaupt; HENRIQUE, Wilnês (org.). Trabalho, mercado e sociedade: o Brasil nos anos 90. Campinas: Editora Unesp, 2003. p. 107-152.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 3. Reimpressão. São Paulo: Edições 70, 2016.

BAUDRILLARD, Jean. A sociedade de consumo. Rio de Janeiro: Elfos, 1995.

BAUMAN, Zygmunt. A sociedade individualizada. Vidas contadas e histórias vividas. Trad. José Gradel. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

BONADIO, Maria Claudia; MARINHO, Maria Gabriela; WAJNMAN, Solange. Apresentação – Dossiê Moda e Conhecimento: interfaces com as ciências humanas e a comunicação. Iara, São Paulo, v. 3, n. 3, 2010. Disponível em: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistaiara/index.php/vol-3-no3-ano-2010/. Acesso em: 22 out. 2019.

BORGES, Márcia de Souza; LIMA, Rita de Cássia Pereira. Representações sociais de alunos e professores do curso de Design de Moda sobre a Moda. In: MATTOS, Maria de Fátima da Silva Costa Garcia (org.) Pesquisa e formação em Moda. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2015. p. 103-133.

BORGES, Marcia de Souza. Problematizando a formação superior em Moda. dObra[s], São Paulo, v. 10, n. 21, 2017. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras/article/view/557. Acesso em: 4 out. 2019.

BRASIL. Ministério da Cultura. Decreto n. 7.566. Rio de Janeiro, 23 de setembro de 1909. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/decreto_7566_1909.pdf. Acesso em: 9 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Cultura. Programa cultural para o desenvolvimento do Brasil. Brasília: MinC, 2006a. Disponível em: http://rubi.casaruibarbosa.gov.br/bitstream/20.500.11997/6837/1/119.pdf. Acesso em: 9 set. 2019.

BRASIL. Lei Complementar n. 123 de 14 de dezembro de 2006. Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte; altera dispositivos das Leis n. 8.212 e 8.213, ambas de 24 de julho de 1991, da Consolidação das Leis do Trabalho –CLT, aprovada pelo Decreto-Lei n. 5.452, de 1° de maio de 1943, da Lei n. 10.189, de 14 de fevereiro de 2001, da Lei Complementar n. 63, de 11 de janeiro de 1990; e revoga as Leis n. 9.317, de 5 de dezembro de 1996, e 9.841, de 5 de outubro de 1999 (VER – DO ACESSO AOS MERCADOS, Seção Única – Das Aquisições Públicas – Capitulo V). Brasília, DF, 14 dez. 2006b. Disponível em: http://www.comprasnet.gov.br/legislacao/leis/lei123_2006.htm. Acesso em: 19 nov. 2019.

BRASIL. Ministério da Cultura. 2013a. Programa cultural para o desenvolvimento do Brasil. Brasília: Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE, 2006. Disponível em: http://rubi.casaruibarbosa.gov.br/bitstream/20.500.11997/6837/1/119.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Cultura. Plano Cultural da Moda. Brasília: Ismália Afonso, SPC/MinC, 2013b. Disponível em: https://bit.ly/2PdCzkh. Acesso em: 9 set. 2019.

CIDREIRA, Renata Pitombo. A moda como expressão cultural e pessoal. IARA, São Paulo, v. 3, n. 3, 2010, p. 228-244. Disponível em: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistaiara/wp-content/uploads/2015/01/07_IARA_vol3_n3_Dossie.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

CMU. Centro de Memória Universitária. Currículo pleno do curso de bacharelado em Moda. Cód.: 97.2.042-0/1997. Blumenau: CMU, 1997.

COMO, Giancarlo Conti. O design da seda. Itália: La Tessitura, 2005.

COORDENADOR. Entrevista com coordenador do curso de Moda. [Entrevista concedida a] Emanuella Scoz. FURB, 2019.

DELGADO, Daniela. Configurações sobre a educação no setor de Moda. IARA, São Paulo, v. 3, n. 3, 2010, p. 147-169. Disponível em: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistaiara/wp-content/uploads/2015/01/04_IARA_vol3_n3_Dossie.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

GUIMARÃES, Maria Eduarda Araújo. Moda, cultura e identidades. In: ENECULT – ENCONTRO DE ESTUDO MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 4. ed., 2008, Salvador. Anais [...]. UFBA: Salvador, 2008. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/enecult2008/14326.pdf. Acesso em: 19 nov. 2019.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Trad. Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: Aícuri; PUC-Rio, 2016.

KOHLHEPP, Gerd. A indústria sul-brasileira na fase da globalização: caso do desenvolvimento econômico regional no Nordeste de Santa Catarina. Revista del Cesla, n. 11, 2008, p. 207-224. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=243316550014. Acesso em: 23 out. 2019.

LIMA, Gisele Matos; MORAES, Mario César Barreto. Os conteúdos de administração nos cursos de moda de Santa Catarina. In: COLÓQUIO DE MODA, 9. ed., 2013, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: UFCE, 2013. Disponível em: http://www.coloquioModa.com.br/anais/Coloquio%20de%20Moda%20-%202013/COMUNICACAO-ORAL/EIXO-2-EDUCACAO_ COMUNICACAO-ORAL/Os-conteudos-de-Administracao-nos-Cursos-de-Moda-de-Santa-Catarina.pdf. Acesso em: 4 out. 2019.

MATTOS, Maria de Fátima da Silva Costa Garcia (org.) Pesquisa e formação em Moda. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2015.

MEYER-STAMER, Jörg. Algumas observações sobre clusters em Santa Catarina. Atualidade Econômica, Florianópolis, ano 12, n. 37, 2000, p. 5-7. Disponível em: https://cnm.ufsc.br/files/2013/09/boletim-37.pdf. Acesso em: 13 maio 2020.

PERFIL DA ALEMANHA. Sinopse dos fatos, 2018. Disponível em: https://www.tatsachen-ueber-deutschland.de/pt-br/download-de-pdf-e-documento-digitais. Acesso em: 9 set. 2019.

PCD. Secretaria do Planejamento do Estado de Santa Catarina. Plano catarinense de desenvolvimento 2015. Florianópolis: SPSC, 2006. Disponível em: http://www.spg. sc.gov.br/visualizar-biblioteca/acoes/plano-catarinense-de-desenvolvimento/402-plano-catarinense-desenvolvimento/file. Acesso em: 9 set. 2019.

PROJETO. Projeto de viabilidade e autorização do curso de Bacharelado em Moda – Habilitação em Estilismo Industrial. Blumenau: Instituição, 1996.

SACRISTÁN, José Gimeno. O currículo. Uma reflexão sobre a prática. Trad. Ernani F. da Fonseca Rosa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SANCHES, Lucinéia. Os moldes da moda: um estudo sobre o estado dos cursos de formação em Moda no Brasil. 2006. 121 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2006.

SANT’ANNA, Mara Rubia. Costuras narrativas de um passado recortado pelo presente. In: MAKOWICCKY, Sandra; OLIVEIRA, Sandra Ramalho; COLLAÇO, Sandra. Centro de Artes da UDESC. História, imagens e memórias. Florianópolis: UDESC, 2018. p. 219-239.

SANT’ANNA, Mara Rúbia. Teoria da Moda - Sociedade, Imagem e Consumo. 2. ed. 3. reimpressão. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2016.

SANTOS, Boaventura de Souza (org.). A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002.

SEBRAE. Perfil do microempreendedor individual 2015. Brasília: SEBRAE, 2016. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Perfil%20 do%20MEI%202015.pdf. Acesso em: 9 set. 2019.

SEBRAE. Panorama SEBRAE. Brasília: SEBRAE, 2018. Disponível em: http://datasebrae.com. br/wp-content/uploads/2018/02/Panorama-Sebrae_012018.pdf. Acesso em: 9 set. 2019.

SENAI. História. Brasília: SENAI, 2018. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com. br/senai/institucional/historia. Acesso em: 9 set. 2019.

SILVA, Bárbara Cravo da; NASCIMENTO, Luís Cláudio Portugal. Apontamentos acerca da integração entre conteúdos de Design e de Moda no percurso de implementação do Design de Moda. Projética, Londrina, v. 3, n. 1, 2012, p. 110-118. Disponível em: http://www.uel. br/revistas/uel/index.php/projetica/article/view/12266/11334. Acesso em: 19 nov. 2019.

TREVISOL NETO, Orestes. A institucionalização científica do campo da Moda no Brasil: estudo baseado nas instituições, produtores e produtos científicos. 2015. 191 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/bitstream/handle/123456789/135394/334677.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 19 nov. 2019.

Publicado
2020-08-03
Como Citar
Scoz, E. (2020). Relações entre a formação superior em Moda e os campos de atuação dos egressos. dObra[s] – Revista Da Associação Brasileira De Estudos De Pesquisas Em Moda, 14(29), 395-418. https://doi.org/10.26563/dobras.v14i29.1152
Seção
Artigos