Moda afro-brasileira: o vestir como ação política

  • Maria do Carmo Paulino dos Santos Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)
  • Cláudia Regina Garcia Vicentini Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Moda – aspectos sociais, Moda afro-brasileira, Orgulho crespo, Relações étnicas e raciais, Design de resistência

Resumo

A moda afro-brasileira vem sendo estudada como uma moda contemporânea, que ressignifica conceitos, tradições, comportamentos, modos de fazer e usos no vestir das negras crioulas às negras ativistas em prol do cabelo crespo, que fez do turbante um artefato de resistência negra. O objetivo deste artigo é provocar uma reflexão sobre moda afro-brasileira como um vestir político que ressignifica o conceito de luta e resistência a partir da diáspora africana e reafirma a rica contribuição dessa população no fazer da moda brasileira. Para tanto faremos uso do ferramental teórico da semiótica discursiva e dos desdobramentos da sociossemiótica proposta por Eric Landowski, a fim de darmos conta do sincretismo dos discursos figurativizados nas imagens veiculadas em um conhecido veículo de comunicação brasileiro a Revista Veja. A justificativa dessa escolha se dá pelo fato de que a eleição de determinadas figuras por esse destinador, de reconhecido alcance midiático, combinada aos arranjos plásticos presentes nas imagens nos faz refletir sobre esses corpos sociais, permitindo-nos pensar a moda afro-brasileira como uma ação política. Por conseguinte, sugerimos a inclusão do estudo da moda afro-brasileira nos currículos dos cursos de graduação e pós-graduação em Têxtil e Moda e Design de Moda em atenção às leis n. 10.639/2003 e n. 11.645/2008.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Carmo Paulino dos Santos, Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Doutoranda em Comunicação e Semiótica. Mestre em Têxtil e Moda pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH).

Cláudia Regina Garcia Vicentini, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); Universidade de São Paulo (USP)

Doutora em Engenharia Mecânica pela. Professora Doutora na Escola de Artes, Ciências e Humanidades(EACH).

Referências

ARAÚJO, Emanoel. Arte, adorno, design e tecnologia no tempo da escravidão. São Paulo: Museu Afro Brasil, 2013.

ARAÚJO, Emanoel. Arte, adorno, design e tecnologia no tempo da escravidão. São Paulo: Museu Afro Brasil, 2013.

BRAGA, Alexandre F. Unegro, um projeto de raça, classe e gênero no Brasil. In: CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISADORES NEGROS, 10.; (RE) EXISTÊNCIA INTELECTUAL NEGRA E ANCESTRAL: 18 ANOS DE ENFRENTAMENTO, 2018, Uberlândia. [Anais...] Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2018, p. [...].

CASTILHO, Kathia; MARTINS, Marcelo M. Produção de sentidos na relação sujeito-corporoupa. In: FECHINE, Yvanna. (org.). Semiótica nas práticas sociais: Comunicação, Artes, Educação. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2014, p. 235-245. CURL FEST. Disponível em: https://www.curlfest.com/. Acesso: mar. 2019.

DAVID, Kevin. Mulheres participam da 2ª Marcha do Orgulho Crespo. G1 SÃO PAULO, São Paulo, 7 ago. 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/sao paulo/noticia/2016/08/mulheresparticipam-da-2-marcha-do-orgulho-crespo-em sao-paulo.html. Acesso em: ago. 2019.

DÁVILA, Jerry. Diploma de brancura: política social e racial no Brasil – 1917-1945. Trad. Claudia Sant’Ana Martins. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

FACTUM, Ana B. S. Joalheria escrava baiana: a construção histórica do design de joias brasileiro. 2009. 335 f. Tese (Doutorado em Design e Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

FAGA, Cris. Mulheres participam da 2ª Marcha do Orgulho Crespo. G1 SÃO PAULO, São Paulo, 7 ago. 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/sao paulo/noticia/2016/08/mulheresparticipam-da-2-marcha-do-orgulho-crespo-em sao-paulo.html. Acesso em: ago. 2019.

FIORIN, José L. Linguagem e ideologia. 8. ed. rev. e atual. São Paulo: Ática, 2007.

FLEXOR, Maria H. O. Os ofícios mecânicos e os escravos. In: ARAÚJO, E. Arte, adorno, design e tecnologia no tempo da escravidão. São Paulo: Museu Afro Brasil, 2013, p. 51-73.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

GOMES, Nilma L. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução deestereótipos ou ressignificação cultural? Revista Brasileira de Educação, [...], n. 21, p. 41- 51, set./out./nov./dez. 2002. HAGER, Patrícia H. C. Consumo e discriminação étnico racial: considerações sobre o mercado de moda-afro-brasileira. Revista Percurso, Maringá, v. 8, 2016, p. 87-109.

HALL, Stuart. Da diáspora e meditações culturais. Org. Liv Sovik. Trad. Adelaine la Guardia Resende [et al.]. 1ª edição atualizada. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Retrato das desigualdades de gênero e raça. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada-IPEA... [et al.]. 4. ed. Brasília: Ipea, 2011. 39 p.: il. Com a participação de: ONU Mulheres, Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM), Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir).

LIMA, Dulcilei C. Tá na cabeça, tá na web! Significados simbólicos e historicidade do uso do turbante no Brasil. Revista dObra[s], v. 10. n. 22. nov. 2017, p. 21-41.

LOPES, Charleston R. S. Racionais MC’s: do denuncismo deslocado à virada crítica (1990 a 2006). 2015. 119 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

KOFES, Suely (org.). Gênero e raça em revista: debate com os editores da revista Raça Brasil. Campinas, São Paulo. Cadernos Pagu, jun./jul.,1996, p. 241-296.

MALTA, Renata B.; OLIVEIRA, Laila. T. B. de. Enegrecendo as redes: o ativismo de mulheres negras no espaço virtual. Revista GÊNERO, Niterói, v.16, n. 2, p. 55-69. 1. sem. 2016.

MARCHA DO ORGULHO CRESPO BRASIL. Disponível em:

https://www.facebook.com/ orgulhocrespobrasil/. Acesso: jan. 2019.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma. L. O negro no Brasil de hoje. 2. ed. São Paulo: Global, 2016. MUNANGA, Kabengele. Algumas considerações sobre “raça”, ação afirmativa e identidade negra no Brasil: fundamentos antropológicos. Revista USP, São Paulo, n. 68, dez./fev. 2005-2006, p. 46-57. OLIVEIRA, Ana C. (org.). Semiótica do social. Barueri: Estação das Letras e Cores, 2018. PAIVA, Eduardo. F.; ANASTASIA, Maria. J. (orgs.). O trabalho mestiço: maneiras de pensar e formas de viver – séculos XVI a XIX. São Paulo: Annablume / PPGH/UFMG, 2002.

PAULO, Paula P. Mulheres dão adeus ao alisamento e assumem cachos e o orgulho crespo. G1 SÃO PAULO. São Paulo, 7 ago. 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2016/08/mulheres-dao-adeus-ao alisamento-e-assumem-cachos-e-o-orgulhocrespo.html. Acesso em: ago. 2019.

PEREIRA, Hanayrá N. O. O axé das roupas: indumentária e memórias negras no candomblé angola do Redanda. 2017. 132 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017. REIS, João J. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos malês em 1835. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SANTOS, Maria C. P. Moda afro-brasileira, design de resistência: o vestir como ação política. 2019. 160 f. Dissertação (Mestrado em Têxtil e Moda). Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

SANTOS, Maria C. P; VICENTINI, Cláudia R. G. A moda afro-brasileira na marcha do orgulho crespo: regimes de visibilidade. In: BERTOSO, L. S. (org.). Na estante da moda. São Paulo: Ed. Athena, 2019.

SÃO PAULO. Lei n. 16.682, de 19 de março de 2018. Institui o Dia o Orgulho Crespo de São Paulo. Diário Oficial Estado de São Paulo, São Paulo, SP, 20 mar. 2018, v. 128, n. 51. SACALZO, Marilia. Jornalismo de revista. São Paulo: Contexto, 2003.

SCHUMAHER, Schuma; VITAL BRAZIL, Eric. Mulheres negras do Brasil. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2007. SCHUCMAN, Lia V. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana, 2012. [...] f. Tese (Doutorado em Psicologia)– Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SILVA JR, Hedio. (org.). Diversidade étnico-racial e pluralismo religioso no município de São Paulo. Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial-SMPIR. São Paulo: Centrografica, 2016.

SILVIA, Simone T. V. Referencialidade e representação: um resgate do modo de construção de sentido nas pencas de balangandãs a partir da coleção Museu Carlos Costa Pinto. 2005. 210 f. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005. [38] | NÚMERO 30 | SETEMBRO-DEZEMBRO 2020 https://dobras.emnuvens.com.br/dobras | e-ISSN 2358-0003 dossiê ] Maria do Carmo Paulino dos Santos | Cláudia Regina Garcia Vicentini SIS. Sistema de Inteligência Setorial. Moda africana no Brasil. Boletim de Tendências: SEBRAE-SC. fev. 2016.

VEJA SÃO PAULO. Marcha do Orgulho Crespo toma parte da Paulista neste domingo (7): segunda edição do movimento, em defesa da cultura negra e dos cabelos crespos, reuniu cerca de 300 pessoas. 7 de ago. 2016. Disponível em: www.vejasp.abril.com/ marchadoorgulhocrespo. Acesso em: nov. 2020.

VICENTINI, Cláudia. R. G.; CÓ, Yasmin.; AVELAR, Suzana. Discursos políticos na moda: o coletivo Estileras, uma análise semiótica. In: Moda Palavra Periódico, v. 13, n. 29, 2020. Disponível em:

http://www.revistas.udesc.br/index.php/modapalavra/issue/view/701. YUI, Vanderlei. Álbum de Fotos: Marcha do Orgulho Crespo. Facebook. São Paulo, 2015. Disponível em: https://www.facebook.com/vanderleiyui/media_ set?set=a.892222177481855&type=3. Acesso em: jul. 2019. XAVIER, Giovana; FARIAS, Juliana B.; GOMES, Flávio (orgs.). Mulheres negras no Brasil escravista e do pós-emancipação. São Paulo: Selo Negro, 2012.

Publicado
2020-12-01
Como Citar
SANTOS, . M. DO C. P. DOS; VICENTINI, . C. R. G. Moda afro-brasileira: o vestir como ação política. dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, v. 15, n. 30, p. 15-38, 1 dez. 2020.
Seção
Dossiê