“Eu não sigo tendência”

o uso e o não uso de relatórios de tendências de moda por designers no Brasil e na Alemanha

Autores

  • Amanda Queiroz Campos

DOI:

https://doi.org/10.26563/dobras.i32.1371

Palavras-chave:

Tendências, Bureaux de style, Design de moda, Sistema da moda, Moda

Resumo

No sistema da moda, as tendências organizam em maior ou menor grau o calendário de lançamento de coleções que renovam o mercado a cada ano. As empresas responsáveis por editar as tendências de moda em relatórios (reports) são denominadas bureaux de style. Este trabalho teve como objetivo compreender a forma como esses relatórios são usufruídos contemporaneamente por designers de moda. Assim, conduziu-se uma investigação interpretativa, seguindo-se a metodologia da Teoria Fundamentada nos Dados. A coleta dos dados se deu por meio de entrevistas com designers de moda no Brasil e na Alemanha e foram analisados seguindo as etapas de codificação, à luz do Realismo Crítico (BHASKAR, 2008) e da Teoria da Estruturação (GIDDENS, 1991). Como o recorte definido para a pesquisa foi a de um sistema da moda, adotou-se como ponto de partida a justificativa endógena para as tendências (ERNER, 2012; GODART, 2005). O trabalho evidenciou um discurso que, à primeira vista, nega o uso dos relatórios de tendências de moda. Todavia, quase a totalidade dos entrevistados têm (pago pelo) acesso a eles. Sendo assim, desenvolveu-se um quadro que denota diferentes níveis de uso dos relatórios de tendências dos bureaux de style; ampliando a concepção de seu uso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Queiroz Campos

Doutora. Departamento de Moda da Universidade do Estado de Santa Catarina.

Referências

BANDEIRA-DE-MELLO, Rodrigo; CUNHA, Cristiano. Grounded Theory. In: GODOI, C. (Ed.) Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo, SP: Editora Saraiva, 2006. p.241-266.

BHASKAR, Roy. A realist theory of science: with a new introduction. London; New York: Routledge, 2008.

CAMPOS, Amanda Queiroz. Expertise e legitimidade: os bureaux de style e a moda contemporânea. dObra[s] – Revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, v. 12, n. 27, p. 193-205, 19 dez. 2019. Disponível em: https://dobras.emnuvens. com.br/dobras/article/view/989/590. Acesso em: 29 mar. 2021.

CAMPOS, Amanda Queiroz. Of tradition and creation: the discourse of fashion designers on trend report usage. Florianópolis, 2017. Tese (Doutorado) – Centro de Comunicação e Expressão, Programa de Pós-Graduação em Design, Universidade Federal de Santa Catarina. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/185500. Acesso em: 29 mar. 2021.

CAMPOS, Amanda Queiroz. Os bureaux de style como sistemas peritos: uma visão sobre a invenção e a manutenção das tradições no sistema de moda contemporâneo. In: MONÇORES, Aline. (Org.). Tendências: mitos, métodos e experiências sobre consumo e futuros. Barueri, SP: Estação das Letras e Cores, 2020, p. 53-88.

CORBIN, Juliet; STRAUSS, Anselm. Basics of qualitative research: techniques and procedures for developing Grounded Theory. 3a ed. London: Sage, 2008.

GIDDENS, Anthony. A constituição da sociedade. [The constitution of society: outline of the theory of structuration]. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2009.

GIDDENS, Anthony. The consequences of modernity. Cambridge: Polity Press, 1991.

GIDDENS, Anthony. A vida em uma sociedade pós-tradicional. In: BECK, U. et al (Ed.), Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. São Paulo, SP: UNESP, 2012. p.89-166.

ERNER, Guillaume. Sociología de las tendencias. [Sociologie des tendances]. 1st ed. 2nd reprint. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2012.

GODART, Frèderic. Sociologia da moda. [Sociologie de la mode]. São Paulo, SP: SENAC SP, 2010.

PIERSON, Paul. Politics in time: history, institutions, and social analysis. Princeton, NJ: Princeton University Press, 2004.

RESENDE, Viviane de Melo. Análise de discurso crítica e realismo crítico: implicações interdisciplinares. Campinas, SP: Pontes, 2009.

SANT’ANNA, Mara Rúbia. Teoria da moda: sociedade, imagem e consumo. 2a ed. Barueri, SP: Estação das Letras, 2009.

SCHÜSSLER, Elke. Strategische Prozesse und Persistenzen: Pfadabhängige Organisation der Wertschöpfung in der Bekleidungsindustrie. Tese (Doutorado). Berlim: Freie Universität Berlin. 2008.

SIMMEL, George. Filosofia da moda. Lisboa: Edições Texto & Grafia, Lda, 2010.

Downloads

Publicado

2021-08-03

Como Citar

CAMPOS, A. Q. “Eu não sigo tendência”: o uso e o não uso de relatórios de tendências de moda por designers no Brasil e na Alemanha. dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, [S. l.], n. 32, p. 153–167, 2021. DOI: 10.26563/dobras.i32.1371. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras/article/view/1371. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos