Subalternas e marginalizadas

as mulheres gordas e a moda nas capas da revista Donna

Autores

  • Caroline Roveda Pilger
  • Ana Gruszynski

DOI:

https://doi.org/10.26563/dobras.i33.1432

Palavras-chave:

Mulheres gordas, Revista Donna, Moda plus size, Interseccionalidade, Lugar de fala

Resumo

O objetivo é analisar a inclusão das mulheres gordas nas capas da revista Donna, cuja temática é a moda a partir da interseccionalidade, que pensa gênero atravessado pelas categorias de raça, classe, sexualidade, faixa etária, estética e deficiência. O corpus é formado por dez capas de Donna publicadas em vinte e sete anos. Como principais constatações estão o fato de que há, também, no universo de representação das mulheres gordas, a obediência a um padrão estético, reproduzindo o que já é naturalizado no universo das mulheres magras: as gordas são brancas, jovens, com corpos menores. Pensar lugar de fala é imprescindível para compreender o espaço autorizado pela revista para que as gordas ocupem e sobre o que é permitido que falem. As análises revelam que, em 80% das capas, o lugar de fala de mulher gorda implicou a maneira com que ela foi retratada sendo motivo para sua presença, ou seja, a mulher gorda estava pelo fato de ser gorda e foi relacionada à moda em três aspectos principais: (a) regras de moda específicas para seus corpos, orientando sobre o que se pode ou não usar; (b) mercado de moda plus size, quando há a quebra de regras anteriores relacionadas à moda tradicional e uma celebração das mulheres gordas na moda; (c) por fim, temáticas relacionadas à autoaceitação e amor-próprio, sem mencionar moda plus size, há também a quebra de regras; porém, a centralidade não são as gordas nem a moda, esta última aparece como auxiliar importante no processo de autoestima.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Roveda Pilger

Doutoranda em Comunicação (UFRGS). Mestra em Processos e Manifestações Culturais (Feevale). Jornalista. Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCOM-UFRGS)

Ana Gruszynski

Doutora em Comunicação. Professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGCOM-UFRGS).

Referências

AIRES, Aliana Barbosa. De gorda à plus size: a produção biopolítica do corpo nas culturas do consumo – entre Brasil e EUA. 2019. 233f. Tese (Doutorado em Comunicação e Práticas de Consumo) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo, Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), São Paulo, SP, 2019.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ARRUZZA, Cinzia; BHATTACHARYA, Tithi; FRASER, Nancy. Feminismo para os 99%: um manifesto. Tradução Heci Regina Candiani. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2019.

BAUMAN, Zygmunt. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Tradução Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

BERTH, Joice. Empoderamento. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

______. Tokenismo e a Consciência Humana: uma prática covarde. Medium, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2PqkjpZ. Acesso em: 16 abr. 2021.

BOGADO, Maria; HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Rua. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Explosão feminista – arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

BUITONI, Dulcília S. Mulher de papel: a representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. 2. ed. São Paulo: Summus, 2009.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, Guacira Lopes (org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva. 2, ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 175, 2002.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEL PRIORE, Mary. Corpo a corpo com a mulher: pequena história das transformações do corpo feminino no Brasil. São Paulo: Senac, 2000.

FELERICO, Selma. Do corpo desmedido ao corpo ultramedido: as narrativas do corpo na revista brasileira. 1. ed. Curitiba: Appris, 2018.

FISCHER, Rosa M. B. O dispositivo pedagógico da mídia: modos de educar na (e pela) TV. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 151-162, jan./jun. 2002.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: PUC-Rio; Apicuri, 2016.

HOLLANDA, Heloisa Buarque de. Introdução: O grifo é meu. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Explosão feminista – arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

JIMENEZ, Maria Luisa. Gordofobia: injustiça epistemológica sobre corpos gordos. Epistemologias do Sul, v. 4, n. 1, p. 144-161, 2020.

KILOMBA, Grada. Plantarions Memories: Episodes of Everyday Racism. Münster: Unrast Verlag, 2010.

LORDE, Audre. Não existe hierarquia de opressão. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 234-237.

LUCA, Tania Regina. Imprensa feminina: mulher em revista. In: PINSKY, Carla B.; PEDRO, Joana M (Org). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012. p. 447-468.

RANGEL, Natália Fonseca de Abreu. O ativismo gordo em campo: política, identidade e construção de significados. 2018. 162f. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) - Programa de Pós-graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2018.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

ROSÁRIO, Nísia Martins do; DAMASCENO, Alex. A prescrição do corpo televisivo: interdição, autoria, repetição e trans-aparência. Revista Comunicação Midiática, n. 2, v. 9, p. 68-81, mai./ago., 2014.

SARDENBERG, Cecilia M B. Caleidoscópios de gênero: gênero e interseccionalidades na dinâmica das relações sociais. Mediações, Londrina, v. 20 n. 2, p. 56-96, jul./dez. 2015.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

WOLF, Naomi. O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

PILGER, C. R.; GRUSZYNSKI, A. Subalternas e marginalizadas: as mulheres gordas e a moda nas capas da revista Donna. dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, [S. l.], n. 33, p. 111–134, 2021. DOI: 10.26563/dobras.i33.1432. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras/article/view/1432. Acesso em: 20 jan. 2022.

Edição

Seção

Dossiê