A literatura de cordel como meio de divulgação da moda na Portugal do século XVIII.

  • Manoela Bernardi Ferreira de Azevedo
  • Rafaela Norogrando
Palavras-chave: Estética. Vestuário. Mulheres. Papel volante. Sociabilidades

Resumo

Inúmeros fatos eclodiram e representaram a tomada de novas posturas e de pensamentos durante o século XVIII. Na Europa, as portuguesas setecentistas sentiriam e até participariam, ainda que timidamente, das tais transformações que decorreram no período denominado como Século das Luzes. Durante essa época, Portugal tinha como aliada a Inglaterra, mas também recebia fortes influências da França, sobretudo nas maneiras do vestir. Por meio de análise bibliográfica, principalmente de autores como Moura, Santos e Chantal, o presente artigo relacionará moda e literatura de cordel, contribuindo para o avanço da história do traje e da moda na relação com a literatura ao compreender as mudanças sociais e estéticas sofridas em solo português por meio da imprensa de cordel. Esses papéis volantes, como condutores das transformações sociais, culturais e, principalmente, estéticas em Portugal, permitirão-nos averiguar um pouco o dia a dia das portuguesas aristocratas e como o traje e a moda inglesa e a francesa foram recebidas e difundidas no continente lusitano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CHANTAL, Suzanne. A vida quotidiana em Portugal ao tempo do terramoto. Lisboa:

Edição Livros do Brasil, 1970.

FERREIRA, Manoela Bernardi. Moda e política: influências e consequências deixadas pela

moda francesa e inglesa nos trajes de corte de Portugal durante 1789 a 1807. 2018. 158

f.Dissertação (Mestrado em Design de Moda) – Universidade da Beira Interior, Covilhã, 2018.

MAGALHÃES, Alberto da Conceição. A real fábrica das sedas e o comércio têxtil com o

Brasil: 1734-1822. 2010. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/4153/1/

ulfl098443_tm.pdf. Acesso em: 19 jul. 2019.

MOURA, Isabel Cristina Silva da Costa. Moda em cordel: aspectos e sugestões da moda

em finais de Antigo Regime. 2010. 215 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários

Culturais e Interartes – Culturas Ibéricas) – Faculdade de Letras da Universidade do Porto,

Porto, 2010. Disponível em https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/56123/2/

TESEMESISABELMOURA000128562.pdf. Acesso em: 5 jun. 2019.

NOGUEIRA, Carlos. Literatura de cordel portuguesa: história, teoria e interpretação.

Lisboa: Apenas Livros, 2003.

SANTOS, Maria José Moutinho. O luxo e as modas em textos de cordel da segunda metade

do séc. XVIII. Revista de História, v. 9 (1989), 2013, p. 137-164. Disponível em: https://

repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/13141/2/6414000069804.pdf. Acesso em: 12

jun. 2019.

Literatura de cordel

A grande dezordem que teve o Marido com a Mulher Por não querer que trouxesse o Tupete à

Marrafe. Lisboa: Officina de António Gomes, 1791.

Compendio de Theologia Moral Evangelica.... Lisboa: Regia Officina Typografica, 1776.

Defeza das Madamas a favor das suas modas.... Lisboa: Officina de António Gomes, 1792.

F. M. G. S. M. (1783). Satyra em louvor das modas ou ESCUDO DA PERALTICE: obra útil a

velhos e velhas, meninos e meninas, composta e oferecida aos senhores peraltas e casquilhos de

Lisboa. Lisboa: Oficina de Simão Thaddeo Ferreira.

Gracioza, e divertida farça ou o novo entremez intitulado A defesa das madamas a favor das

suas modas, em que deixao convencida a paraltisse dos homens. Lisboa: Oficina de António

Gomes, 1742.

Modas do Tempo Descubertas na Quarta parte dos Opios. Lisboa: Officina de Simão Thaddeo

Ferreira, 1788.

Nova Palestra em que as Senhoras da Moda entretem as tarde de Sermão. Lisboa: Officina de

Domingos Gonsalves, 1786.

Nova Sátyra ao formidável chapeo e anquinhas que apareceram no passeio do cais grande, e

a bulha que tiverão os apaixonados de ambos os theatros. Lisboa: Oficina de António Gomes,

Novo entremez intitulado A receita de ser peralta ou de casquilharia por força. Lisboa: (sem

registro da oficina) 1789.

Opio que dão os Homens e as Senhoras na cidade de Lisboa huns aos outros.... Lisboa: Officina

de Simão Thaddeo Ferreira, 1786.

Os Peraltas Castigados.... Lisboa: Officina de Domingos Gonsalves, 1786.

Queixas de Clorindo ou reprhençam amigável das modas extravagantes. Lisboa: Oficina de

Domingos Gonsalves, 1782.

Relação de huma carta escrita às Peraltas em a qual se lhe apontam os rediculos trastes de que

usão.... Lisboa: Officina de Francisco Borges de Sousa, 1787.

Testamento e ultima disposição que de seus ornatos, enfeites, e adornos fez huma França, por

causa da nova pragmática, querendo reformarse, deixar o mundo, e entrar em religião, repartindo

primeiro pelos conventos pobres as suas melhores gallas, e fazendo outras obras pias, como nelle

pode ver o fleumático leitor. Catalunha: Emprensa de Francisco Guevarz, 1751.

Publicado
2020-04-09
Como Citar
Azevedo, M. B. F. de, & Norogrando, R. (2020). A literatura de cordel como meio de divulgação da moda na Portugal do século XVIII. dObra[s] – Revista Da Associação Brasileira De Estudos De Pesquisas Em Moda, 13(28), 140-160. https://doi.org/10.26563/dobras.v13i28.1064
Seção
Dossiê