Beleza é fundamental sim, mas é essa beleza que queremos?: a aparência feminina nas páginas do jornal feminista Mulherio

  • Laise Lutz Condé de Castro Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Feminismo brasileiro, Imprensa feminista, Década da Mulher, Mulherio

Resumo

O presente trabalho investiga os registros acerca da aparência feminina veiculados na imprensa alternativa da década de 1980. Para esse artigo, escolheu-se o jornal Mulherio, que circulou entre 1981 e 1988 e foi um dos principais veículos feministas do Brasil. As análises apresentadas aqui são referentes às 23 edições que foram lançadas até o ano de 1985, período que encerra a Década da Mulher (1975-1985), fundada pela Organização das Nações Unidas (ONU). Tal momento foi fundamental na promoção de debates sobre a condição da mulher no Brasil e no mundo e pode ser considerado um hiato no qual os holofotes estiveram voltados para as reivindicações femininas

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laise Lutz Condé de Castro, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutoranda e Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes, Cultura e Linguagens.

Referências

BUITONI, Dulcília Helena Schroeder. Mulher de papel: a representação da mulher na imprensa feminina brasileira. São Paulo: Edições Loyola, 1981.

CARDOSO, Elizabeth. Imprensa feminista brasileira pós-1974. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v. 12, 2004, p. 37-55. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/10222. Acesso em: 26 nov. 2018.

CASTRO, Mayra Corrêa. Feminismo prêt-à-porter: significação da aparência na imprensa feminina e feminista do Brasil. Cadernos AEL, Campinas, v. 2, n. 3/4, 1996, p. 111-152. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ael/article/view/2615. Acesso em: 14 ago. 2017.

CORRÊA, Mariza. Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal.

Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, 2001, p. 13-30. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ cpa/n16/n16a02.pdf. Acesso em: 23 jul. 2017.

FRIEDAN, Betty. Mística feminina: o livro que inspirou a revolta das mulheres americanas. Trad. Áurea B. Weissenberg. Petrópolis: Vozes Limitada, 1971.

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Disponível em: http://www.fcc.org.br/conteudosespeciais/mulherio/historia.html. Acesso em: 5. jul. 2020.

HARVEY, John. Homens de preto. São Paulo: Editora Unesp, 2003.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloisa (org.). Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994, p. 206-242.

LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

MULHERIO. São Paulo: S/A O Estado de S. Paulo, 1981-1988. Bimestral. Pesquisado em

Arquivo Edgard Leuenroth – AEL – Unicamp. Acesso em: 21mar. 2017.

MULVEY, L. Prazer visual e cinema narrativo. In: XAVIER, Ismail (org). A experiência do cinema. Rio de Janeiro: Editora Graal: Embrafilme, 1983.

RAGO, Margareth. Adeus ao feminismo? Feminismo e (pós) modernidade no Brasil. Cadernos AEL,Unicamp v. 2, n. 3/4, 2012, p. 11-43. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ael/article/view/2612/2022. Acesso em: 24 mar. 2017.

ROCHA, Ednéia Silva Santos. Contribuições da Fundação Ford à formação e consolidação de campos científicos no Brasil. InCID: Revista de Ciência da Informação e Documentação, São Paulo, publicação. 7, n. 2, 2017, p. 93-117. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/incid/article/view/110886/118528. Acesso em: 23 fev. 2018.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi. Políticas do corpo. São Paulo: Estação Liberdade, 1995 p.81-114.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi. História da beleza no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014.

SIMMEL, Georg. Filosofia da moda e outros e outros escritos. Lisboa: Edições Texto &Grafia Ltda, 2008.

SOIHET, Rachel. Preconceitos nas charges de O Pasquim: mulheres e a luta pelo controle do corpo. ArtCultura, Uberlândia, v. 9, n. 14, 2009. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/artcultura/article/view/1444. Acesso em: 14 fev. 2020.

TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil e outros ensaios. São Paulo: Editora Alameda, 2017.

VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. Trad.

Olivia Krähenbühl. São Paulo: Abril Cultural, 1987.

WILSON, Elizabeth. Enfeitada de sonhos: moda e modernidade. Trad. Maria João Freire. Lisboa: Edições 70, 1989.

WOLF, Naomi. O mito da beleza. Trad. Waldéa Barcellos. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

“MULHER DE DIREITA É MAIS BONITA E HIGIÊNICA QUE DE ESQUERDA”, DIZ FILHO DE BOLSONARO. Yahoo! Notícias. 1 out. 2018. Disponível em: https://br.noticias. yahoo.com/mulher-de-direita-e-mais-bonita-e-higienica-que-de-esquerda-diz-filho-debolsonaro-135535648.html. Acesso em: 11 jul. 2020.

Publicado
2020-12-01
Como Citar
CASTRO, L. L. C. DE. Beleza é fundamental sim, mas é essa beleza que queremos?: a aparência feminina nas páginas do jornal feminista Mulherio. dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, v. 15, n. 30, p. 223-242, 1 dez. 2020.
Seção
Artigos