Ensino-aprendizagem da renda renascença como processo de inclusão socioeconômica em Poção-PE

Autores

  • Suzana Ferreira Paulino

DOI:

https://doi.org/10.26563/dobras.i33.1439

Palavras-chave:

Processo de ensino-aprendizagem, Renda Renascença, Inclusão socioeconômica

Resumo

O presente artigo apresenta o percurso sócio-histórico da renda renascença e a sua relevância econômico-cultural para a inclusão social na cidade de Poção-PE, no nordeste brasileiro. Abordou-se o processo de ensino-aprendizagem e elaboração da renda renascença, a exclusividade do trabalho e o papel social que ela desempenha no desenvolvimento local e empoderamento socioeconômico das rendeiras. A pesquisa foi bibliográfica e exploratória. A renascença fortalece a integração social e as políticas públicas em prol dos processos de organização e gestão social, bem como inclusão produtiva e comercial das rendeiras. Reconhecer o papel da renda renascença como geradora de renda e o papel da mulher como promotora desse processo é reconhecer a identidade cultural e promover o fortalecimento identitário dos sujeitos sociais locais para a superação da pobreza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suzana Ferreira Paulino

Doutorado em Letras/Linguística. Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Referências

ALBUQUERQUE, Else de F.; MENEZES, Marilda. O valor material e simbólico da renda renascença. Revista de Estudos feministas [online]. 2007, vol.15, n.2, pp. 461- 467. ISSN 0104-026X. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v15n2/a13v15n2.pdf . Acesso em 10 out. 2016.

ALMEIDA, Maria da Conceição de; CARVALHO, Edgard de Assis; CASTRO, Gustavo de. Ensaios de complexidade. Porto Alegre: Sulina, 1984.

BRIEUVRE, M. A renda: história da renda em diversas ephocas e differentes paizes. Rio de Janeiro: H. Garnier, [190-].

CATELLANI, Regina Maria. Moda ilustrada de A a Z. Barueri: Manoele. 2003.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século XXI: o dicionário da língua portuguesa. 1999.

FRANCO, Tereza. Renascença – PE.Catalógo. Cel Editoral. 2016.

GIRÃO, V.C. Renda de bilros. Fortaleza: Edições UFC, 1984.

IBGE. 2010. Disponívelem: http://cidades.ibge.gov.br/painel/economia.php?codmun=261120 . Acesso em: 23 set 2016.

IPHAN – Instituto do Patrimõnio Histórico e Artístico Nacional. Modo de fazer renda Irlandesa, tendo como referência o ofício em Divina Pastora. Brasília: Iphan, 2014. 168p. (Dossiê Iphan; 13).

______. Bens registrados: modo de fazer renda irlandesa, tendo como referência este ofício em Divina Pastora/SE [online]. Disponível no link: http://www.iphan.gov.br/bcrE/pages/ conAcoesApoiFomentoE.jsf# . Acesso em 29 jul. 2021.

JACKSON, F. N. A history of a hand-made lace: dealing with the origin of lace, the growht of the great lace centres, the mode of manufacture, the methods of distinguishing and the care of various kinds of lace (1900). London: L. U. Gill; New York: C. Scribner’s Sons, 1861.

LEITE, Rogério Proença. Modos de vida e produção artesanal: entre presenrvar e consumir. In: Olhares itinerantes: reflexões sobre o artesanato e consumo da tradição. Cadernos Artesol 1. São Paulo: Central Artesol, 2003.

MEAD, Margaret. O conflito de gerações. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1970.

NERY, Salete. O Comércio do Autêncitoco: produção, circulação e consumo de bens artesanais no contexto capitalista da atulaidade. In: Encontro Anual da Associação Nacional de Pós- Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, 33, 2009, Caxambu, MG. Anais. Caxambu: ANPOCS, 2009.

NÓBREGA, C. Renda renascença: Uma memória de ofício paraibana. João Pessoa: SEBRAE, 2005. PALISSER, B. A history of lace. London: Sampson, Low, Son, and Marston, 1869.

PRESTES, Fernanda. Exclusividade e a moda. 2010. Disponível em: https://rpnamoda. wordpress.com/2010/11/02/exclusividade-e-a-moda/. Acesso em: 14 set 2019.

QUEIROGA, L. Lagarta Richelieu. Recife: Lenice Queiroga de Sousa, 2013. RAMOS, L.;

RAMOS, A. A renda de bilros e sua aculturação no Brasil: nota preliminar e roteiro de pesquisa. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia, 1948.

SILVA, V.L.F Acervo de rendas Lucy Niemeyer: uma contribuição para o design. 2013. 173 p. Dissertação (Mestrado em Design) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

TREPTOW,Doris. Inventando moda: planejamento de coleção. 4 ed. Brusque: D. Treptow, 2007.

WATT, Melinda. Textile Production in Europe: Printed, 1600–1800. In Heilbrunn Timeline of Art History. New York: The Metropolitan Museum of Art, 2000–. Disponível em: http://www. metmuseum.org/toah/hd/txt_p/hd_txt_p.htm . (October 2003). Acesso em 10 out 2016.

ZANELLA, Andrea Vieira; BALBINOT, Gabriela; PEREIRA, Renata Susan. A renda que enreda: analisando o processo de constituir-se rendeira. Revista Educação e Sociedade [online]. 2000, vol. 21, n.71, p. 235 - 252. ISSN 0101-7330. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ es/v21n71/a11v2171.pdf . Acesso em 21 out. 2018.

Downloads

Publicado

2021-11-30

Como Citar

PAULINO, S. F. Ensino-aprendizagem da renda renascença como processo de inclusão socioeconômica em Poção-PE. dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, [S. l.], n. 33, p. 229–249, 2021. DOI: 10.26563/dobras.i33.1439. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras/article/view/1439. Acesso em: 20 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos