Juventude “transada”: tensionamentos das normativas de gênero na moda promovida pela revista Pop (anos 1970)

Maureen Schaefer França, Marinês Ribeiro dos Santos

Resumo


Nos anos 1970, conexões entre a contracultura e os movimentos feminista e gay resultaram em tensionamentos dos modelos normativos de feminilidades e masculinidades. Tais mudanças comportamentais reverberaram no figurino de artistas da cultura pop assim como no vestuário do cotidiano. Sendo assim, a partir de algumas imagens de um editorial veiculado em 1973 pela Pop, primeira revista destinada ao público jovem no Brasil, discutimos, sob a ótica de gênero, como o emprego da moda reiterou e regulou, mas também questionou e ampliou, os limites para a construção dos corpos. Para tanto, a discussão, que dialoga com outros periódicos da época, apoia-se, sobretudo, na articulação entre as áreas dos Estudos de Gênero e História da Moda. Nós compreendemos que a moda não é neutra, mas sim uma prática cultural, sendo produzida segundo visões de mundo particulares, podendo reforçar ou contestar desigualdades sociais. Nossa análise indica que a moda em questão, veiculada pela Pop, funcionou, em certa medida, como uma estratégia material de tensionamento do conservadorismo social, refutando padrões tradicionais de gênero e produzindo modelos de feminilidades e masculinidades mais libertários.

Palavras-chave


Moda. Gênero. Revista Pop. Anos 1970.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Patrícia Marcondes. A revolução sexual e o feminismo de Rose Marie Muraro através da imprensa alternativa contracultural nos anos 1970. Anais do VIII Congresso Internacional de História. Maringá, 2017. BATCHELOR, David. Cromofobia. São Paulo: Senac, 2007.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

BLACKMAN, Cally. 100 anos de moda masculina. São Paulo: Publifolha, 2014.

BONADIO, Maria Claudia. Moda e publicidade no Brasil nos anos 1960. São Paulo: nVersos, 2014.

BORGES, Luís Fernando Rabello. O processo inicial de formulação de produtos de mídia impressa brasileira voltados ao público jovem: um estudo de caso da revista Pop. 2003. 119 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação, Universidade do Vale do Rios dos Sinos (Unisinos). São Leopoldo, 2003.

CAPELLARI, Marcos Alexandre. O discurso da contracultura no Brasil: o underground através de Luiz Carlos Maciel (c.1970). 2007. 256 f. Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade de São Paulo (USP) 2007.

COLE, Shaun. Don we now our gay apparel: gay men’s dress in the twentieth century. New York: Oxford, 2000.

DUNN, Christopher. Contracultura: alternative arts and social transformation in authoritarian Brazil. The University of North Carolina Press, 2016.

ESTEVÃO, Ilca Maria. Salto alto: as curiosidades em torno da peça símbolo de feminilidade. Disponível em: https://www.metropoles.com/colunas-blogs/ilca-maria-estevao/salto-alto-historia-curiosidades. Acesso em: 9 abr. 2019.

FOGG, Marnie. Tudo sobre moda. Rio de Janeiro: Sextante, 2013.

HARDING, Sandra. A instabilidade das categorias analíticas na teoria feminista. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 7-31, 1993.

HARRIS, Karen. Who wore short shorts? In the 1970s, men wore short shorts. Disponível em: https://groovyhistory.com/mens-shorts-styles-of-the-seventies. Acesso em: 5 abr. 2019.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

MIRA, Maria Celeste. O leitor e a banca de revistas: o caso da Editora Abril. 1997. 359 f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas, 1997.

MISKOLCI, Richard. Estranhando as ciências sociais: notas introdutórias sobre Teoria Queer. Revista Florestan. Ano 1, n. 2, p. 8-25, 2014.

MONTEIRO, Marko. Masculinidades em revista: 1960-1990. In: PRIORE, Mary del; AMANTINO, Marcia (Orgs.). História dos homens no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2013. MURARO, Rose Marie. Feminismo e Androginia. Rolling Stone, Rio de Janeiro, n. 3, p. 6-7, 29 fev. 1972.

NASCIMENTO, Abdias. Democracia racial: mito ou realidade? Disponível em: https://www.geledes.org.br/democracia-racial-mito-ou-realidade/. Acesso em: 15 abr. 2019.

PAOLETTI, Jo B. Sex and unissex: fashion, feminism and the sexual revolution. USA: Indiana University Press, 2015.

PEDRO, Joana Maria. Corpo, prazer e trabalho. In: PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria. Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2016.

PERROT, Michele. As aparências: os cabelos das mulheres. In: Perrot, Michele. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

PRADO, Luís André; BRAGA; João. História da moda no Brasil: das influências às autorreferências. São Paulo: Disal Editora, 2011.

PRECIADO, Paul Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

RAINHO, Maria do Carmo Teixeira. Moda e revolução nos anos 1960. Rio de Janeiro: Contracapa, 2014.

REED, Paula. 50 ícones que inspiraram a moda 1970. São Paulo: Publifolha, 2013.

ROSZAK, Theodore. A contracultura: reflexões sobre a sociedade tecnocrática e a oposição juvenil. Petrópolis: Vozes, 1972.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. História da beleza no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014.

SANTOS, Marinês Ribeiro dos. Gênero e cultura material: a dimensão política dos artefatos cotidianos. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 26, p. 1-8, 2018.

SANTOS, Marinês Ribeiro dos. O design pop no Brasil dos anos 1970: domesticidades e relações de gênero na revista Casa & Jardim. 2010. 312 f. Tese (Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas) – DCIH, Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2010.

SANZ, Beatriz; MENDONÇA, Heloísa. O lado obscuro do ‘milagre econômico’ da ditadura: o boom da desigualdade. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/29/ economia/1506721812_344807.html. Acesso em: set. 2018.

SARDENBERG, Cecilia M. B. Caleidoscópios de gênero: gênero e interseccionalidades na dinâmica das relações sociais. Mediações, Londrina, vol. 20, n. 2, p. 56-96, jul./dez. 2015.

SAVAGE, Jon. A criação da juventude: como o conceito de teenager revolucionou o século XX. Rio de Janeiro: Rocco, 2009.

SIMIONI, Ana Paula Cavalcanti. Esses detalhes tão significativos: moda, cultura e historicidade no Brasil. In: BONADIO, Maria Claudia; MATTOS, Maria de Fátima (Orgs.). História e cultura de moda. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2011.

STURKEN, Marita; CARTWRIGHT, Lisa. Practices of looking: an introduction to visual culture. New York: Oxford University Press, 2009.

SVENDSEN, Lars. Moda: uma filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

VERGUEIRO, Viviane. Por inflexões decoloniais de corpos e identidades de gênero inconformes: uma análise autoetnográfica da cisgeneridade como normatividade. 2015. 244 f. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Professor Milton Santos, Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2015.

ZIMMERMANN, Maíra. Jovem Guarda: moda, música e juventude. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2013.




DOI: https://doi.org/10.26563/dobras.v12i27.986

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Maureen Schaefer França, Marinês Ribeiro dos Santos

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/4.0/

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.