Consumo e liberdade: a anglomania nas vésperas da Revolução Francesa

Autores

  • Felipe Goebel

DOI:

https://doi.org/10.26563/dobras.v13i28.1067

Palavras-chave:

Anglomania. Consumo. Antigo Regime francês. Século XVIII.

Resumo

O presente artigo analisa a formação de uma cultura de consumo na França das décadas de 1770 e 1780, enfatizando a contribuição da anglomania nesse processo. Nas décadas estudadas percebe-se uma busca por inspiração na Inglaterra, tanto no campo político como no cultural, por meio da emulação de costumes e trajes ingleses. Entendemos ainda que os trajes do período, de acordo com Roche (2007), criavam uma cultura das aparências que delimitavam as hierarquias, definindo o pertencimento e as demarcações dos grupos sociais. Nesse sentido, Ribeiro (2001) afirma que um novo entendimento cíclico sobre a moda permitiu que novas tendências de vestuário, cada vez mais popularizadas e de fácil acesso, fossem estabelecidas, o que alterou dramaticamente a base da cultura das aparências, necessária para a manutenção das práticas e representações do Ancien Régime. Defendemos que o entusiasmo da anglomania se fez presente não apenas nos trajes, como tendência a ser seguida, mas também influenciou o entendimento da sociedade e da política. Trajes esportivos, confortáveis e propícios para atividades ao ar livre aliaram-se a questionamentos sobre a sociedade de corte e a monarquia absolutista. Junto com as práticas indumentárias, veio a exaltação da naturalidade, da espontaneidade e da liberdade, em contrapartida ao controle do corpo e dos sentimentos. O modelo burguês trazido da Inglaterra, além disso, fortaleceu e ampliou uma cultura de consumo que já florescia em Paris. Dessa maneira, visamos demonstrar como a relação Inglaterra-França, nas décadas finais do Setecentos, no campo sociocultural, associou-se com os ideais revolucionários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CHRISMAN-CAMPBELL, Kimberly. Fashion victims: dress at the court of Louis XVI and

Marie-Antoinette. Londres: Yale University Press, 2015.

DELPIERRE, Madeline. Dress in France in the Eighteenth-century. New Haven e Londres:

Yale University Press, 1997.

FOREMAN, Amanda. Georgiana, Duquesa de Devonshire. São Paulo: Objetiva, 2012.

GHERING VAN IERLANT, Marie J. Anglo-French fashion, 1786. Revista Costume, Londres, v.

, março de 1983.

GOODMAN, Dena (Org.). Marie-Antoinette: writing on the body of a queen. Nova York:

Reutledge, 2003.

LE FAYE, Deirdre. Jane Austen’s “outlandish cousin”: the life and letters of Eliza de Feuillide.

Londres: British Library, 2002.

LIMA, Laura Ferrazza de. Quando a arte encontra a moda: a obra de Antoine Watteau na

França do século XVIII. Porto Alegre: Editora Zouk, 2018.

LOUGH. John. France on the eve of Revolution: british travellers’ observations (1763-1788).

Londres: Croom Helm, 1987, p. 416.

NOLAN, Brian. Ladies of the Grand Tour. Londres: HarperCollins, 2001.

RIBEIRO, Aileen. Dress in eighteenth-century Europe (1715-1789). Londres: Yale

University Press, 2001.

ROCHE, Daniel. A cultura das aparências: uma história da indumentária (séculos XVIIXVIII). São Paulo: Editora SENAC, 2007.

WEBER, Caroline. Rainha da moda: como Maria Antonieta se vestiu para a Revolução. Rio

de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2008.

Memórias e anedotários

Anon. Mémoires secrets pour servir à l’histoire de la République des Lettres en France

depuis 1762 jusqu’à nos jours. N/d. Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/

bpt6k6329707. Acesso em: nov. 2019.

CAMPAN, Henriette. Memoirs of the court of Marie-Antoinette, queen of France. 1852.

Disponível em: https://archive.org/details/memoirsofcourto1v2camp. Acesso em: nov. 2019.

CARACCIOLI, Louis-Antoine de. Voyage de la raison en Europe. Disponível em: http://

gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k97790341. Acesso em: nov. 2019.

FREUDSTEIN, Henriette Louise de Waldner. Mémoires de la Baronne d’Oberkirch. 1869.

Disponível em: https://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k2048423. Acesso em: nov. 2019.

FORDYCE, James. Sermon to young women (1766). Londres: Forgotten Books, 2018.

HARRIS, James. A series of letters of the first earl of Malmesbury, his family and friends

from 1745 to 1820. Londres: Richard Bentley, 1870.

JEFFERSON, Thomas. The papers of Thomas Jefferson. Disponível em: https://

jeffersonpapers.princeton.edu/volumes. Acesso em: nov. 2019.

MERCIER, Louis-Sébastien. The new picture of Paris. Londres: H. D. Symonds, 1800.

MERCIER, Louis-Sébastien. Tableau de Paris. Disponível em: http://gallica.bnf.fr/

ark:/12148/bpt6k65711801. Acesso em: nov. 2019.

SÉGUR, Louis Philippe. Memoirs or recollections of Count Ségur. 1825. Disponível em:

https://archive.org/details/memoirsrecollect00sg/page/n3. Acesso em: nov. 2019.

ST. JOHN, James. Letters from France to a gentleman in the south of Ireland, written

in 1787. 1803. Disponível em: https://books.google.com.br/books?id=_Z9CAAAAYAAJ&.

Acesso em: nov. 2019.

WALPOLE, Horace. The letters of Horace Walpole. Editado por P. Toynbee. Oxford: Oxford

University Press, 1915.

Downloads

Publicado

2020-04-09

Como Citar

GOEBEL, F. Consumo e liberdade: a anglomania nas vésperas da Revolução Francesa. dObra[s] – revista da Associação Brasileira de Estudos de Pesquisas em Moda, [S. l.], v. 13, n. 28, p. 203–232, 2020. DOI: 10.26563/dobras.v13i28.1067. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras/article/view/1067. Acesso em: 29 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos